Toque de Bola


À procura de outros mares

 A notícia bombou ontem depois do clássico: ADILSON BATISTA NÃO É MAIS TÉCNICO DO SANTOS.

 

 Apesar de não conseguir alguns resultados esperados nos últimos jogos, os números de Adilson contrariam: em 11 jogos, 5 vitórias, 5 empates e só uma derrota.

 Derrota essa logo num clássico, e contra o Corinthians.

 O empate na Libertadores e o pequeno futebol nesse e no jogo contra o São Bernardo foram os derradeiros resultados.

 

 A situação era insustentável e estava na cara que ia acontecer, mesmo não sendo uma opinião unânime entre os diretores.

 O time não encaixou com o técnico e o técnico não encaixou com o time.

 

 Mas isso levanta uma questão preocupante que tem acontecido no Santos, especificamente.

 Tanto Dorival Junior quanto Adilson Batista foram demitidos por não conseguirem "domar" o time que tinham.

 Muitas estrelas, egos enormes e uma diretoria muito suspeita.

 

 É uma típica diretoria que gosta de escalar o time. Diretor tem essa mania escrota.

 Os caras vão, contratam algum jogador a seus gostos e a gosto do técnico e já se acham na obrigação de vê-lo sempre em campo. Se por acaso o técnico, que é quem sempre sabe o melhor para o time, se intromete e deixa o contratado no banco, recebe críticas da diretoria, a mesma quem contratou, e dali há alguns jogos é mandado embora.

 Daí a ideia de que jogador virou presidente do clube, como foi com o Neymar e o Dorival. Agora vemos que além de jogador virar presidente, presidente virou técnico.

 E do nada, nada mais faz sentido.

 

 Afirmo e com autoridade que o caso do Adilson foi de intromissão da diretoria.

 Os resultados não vinham, o time não rendia, OK. Mas fazer disso um motivo para mandar um técnico tão competente para a rua? Por que não escalou Zé Love em alguns jogos e apostou num Diogo em má fase? Ora, errar é humano!

 Mas o incrível é que apesar de receber uma chuva de críticas, a diretoria não se mobiliza. Continua atolada em sua lama de corrupção. E é sempre o técnico que mal consegue respirar.

 

 Há quem diga que foi por causa da pressão da torcida.

 Torcedor sempre protesta, pois é quem paga o ingresso e não vê o show. É direito, deve estar no estatuto do torcedor. Ou no Procom, sei lá.

 Queriam a saída dele muito por não ter se encaixado no elenco.

 

 Mas aí é que está a questão.

 

 Procuram um técnico que se encaixe num elenco, e não um elenco que se encaixe com o técnico.

 E isso é mais do que uma inversão de ideias.

 

 O certo é: jogador que não rende no esquema do técnico, vai para o banco ou cai fora.

 O que fizeram: jogador não rende no esquema do técnico, manda o técnico cair fora.

 

 Viram?

 Estão trocando os pés pela cabeça!

 

 E isso é resultado de alguns erros capitais.

 O maior deles, para mim, é ir na onda de torcida organizada. Torcida se irrita, xinga, vaia no final do jogo, mas estão todos no calor da partida, na irritação pela derrota (derrota que nem aconteceu). Não tem que seguir essa linha de racioncínio ignorante para fazer média com alguém.

 O torcedor não está nos treinos, não vê o que o técnico vê, não escuta o que ele escuta, e não conhece o jogador como ele conhece. Ninguém conhece mais que o treinador, e isso tem que ser levado em conta. Mais que isso, tem que ser fundamental!

 

 Existe algo em toda empresa chamado de hierarquia. É certo que quem desrespeitar vai embora.

 Mas também se estabelece uma divisão de afazeres. Cada um cumpre sua tarefa o melhor que pode e ninguém se intromete no trabalho dos outros. Por que no futebol seria diferente? Porque tem alguém pagando?

 Não são capazes de entender isso. Por isso muitos clubes não vão para frente. Alguns percebem muito tarde e colhem os frutos de uma má gestão. Outros não percebem e seguem olhando para o próprio umbigo.

 

 Até que o Peixe afunde de vez.



 Escrito por Danilo Albuquerque às 20h40 [] [envie esta mensagem] []






Voo sem escalas para Cleveland

 Fiquei de comentar sobre esse assunto, mas acabei me esquecendo.

 

 Antes do Mundial de Basquete no ano passado, o técnico da Seleção Brasileira Rubén Magnano visitou todos os jogadores brasileiros que atuam na NBA para tentar convencê-los a voltar a vestir a regata amarela, ressaltando suas importâncias, babando um pouco no ovo, etc. Isso marcou a nova gestão do basquete brasileiro.

 Pois bem, para o Pré-Olímpico deste ano, Magnano decidiu fazer a mesma coisa. Só que com uma excessão que muito me perturbou.

 Neste ano, Magnano foi falar com Nenê, Leandrinho, Tiago Splitter e a jovem revelação que atua no basquete universitário Fabrício Melo. Estaria tudo bem se não deixassem o Anderson Varejão de lado.

 Varejão sofreu uma contusão e está fora da temporada e consequentemente fora do Pré-Olímpico. Portanto ele não faz mais parte dos planos da CBB para este ano.

 

 No entanto aí que vem a questão: só porque Varejão se machucou quer dizer que ele não serve mais esse ano? E os projetos a longo prazo???

 Dispensaram o melhor pivô brasileiro só por causa de uma má fase? Ora, isso é ingratidão!!!

 Viajar pelos EUA e não passar por Cleveland é uma pura perda de tempo.

 

 Uma atitude incoerente ao que ele diz.

 Já que o plano da CBB é fazer um "tour" para mostrar a importância dos jogadores da NBA para o Brasil, nada melhor que dar apoio a quem precisa e a quem é importante, mesmo fora de combate. Mostra que existe gente que está torcendo por ele, por sua recuperação e por sua volta triunfal, e que não está totalmente descartado dos planos do Brasil.

 E foi exatamente pela falta de consideração por parte de uns naquela confederação que por muito tempo os jogadores da NBA não tinham acordo algum com a seleção e sempre a deixaram na mão.

 É só um detalhe, mas que pode ser crucial no futuro.

 E já tá mais do que na hora da CBB criar algum juízo e alguma competência. Caminhamos no sentido certo, sim, mas com passos de tartaruga. Fora alguns regressos, como esse.

 Não sei como é a metodologia e a filosofia de trabalho do Magnano, o qual todos confiam cegamente, mas se foi decisão dele não passar por Cleveland, já começo a desconfiar de seu trabalho. Até agora não mostrou defeitos, e não tinha que ser agora que iria mostrar.

 Mais uma vez ficamos de mãos atadas ao ver o erro na nossa frente sem poder ajudar.

 

 É o que eu digo: não dá pra confiar em argentino.



 Escrito por Danilo Albuquerque às 20h29 [] [envie esta mensagem] []






 
 

Para ingleses verem e italianos sofrerem

 

 Final dos jogos de ida das oitavas-de-final da Champions League.

 Nada decidido pros espanhóis, vantagem para os ingleses e péssimos resultados para os italianos.

 

FC Copenhague 0x2 Chelsea

 Tentando esquecer a prematura eliminação na Copa da Inglaterra, o Chelsea foi até a Dinamarca tentar esquecer um pouco dos problemas e dar alguma sobrevida ao cargo de Carlo Ancelotti.

 E o fizeram com muita competência.

 Grande vitória em noite estrelada de Anelka, em que Drogba começou no banco para dar lugar a um peso chamado Fernando Torres. Não se encaixou ainda na equipe e pouco fez no jogo. Mas não precisaram muito dele mesmo.

 O Chelsea venceu nos erros do Copenhague, daqueles lições táticas que todo professor adora ensinar aos jogadores. O time da casa se atrapalhou muito no ataque, deu brechas enormes para as jogadas rápidas do time londrino, e isso para o Chelsea é fatal. Para o Chelsea não, para o Anelka.

 A vitória fora de casa dá uma tranquilidade absolutamente necessária e bem-vinda. A vantagem de até poder perder por um gol em casa dá, sem dúvida, mais espaço para o time se estabilizar e parar de perder jogos bobos no Inglês. Uma mão e meia na vaga.

 

Lyon 1x1 Real Madrid

 A vantagem até poderia ter sido melhor.

 Com dois tempos distintos, o Real começou o jogo apagado e dando espaço para o time da casa se impor. No segundo, voltou com uma mentalidade diferente, mas pecando nas finalizações.

 Mas aí veio o dedo do Zé.

 Aos 14, Benzema entrou no jogo, sacando o perdido Adebayor e logo em sua primeira jogada, anotou depois de driblar os zagueiros. A vantagem se manteve até o fim, e por pouco não foi o resultado final. Por pouco porque numa falta do Lyon, Gomis escorou livre livre de cabeça para igualar o marcador e reacender o pesadelos das oitavas-de-final para o Real.

 Fantasma não tão intenso assim. Dessa vez, uma ligeira vantagem para o time madrilenho: já entra no próximo jogo classificado.

 O problema foi o futebol em si. O Real novamente jogou um futebolzinho fraco, que tinha chances de ser grande frente a um Lyon inofensivo, de poucos ataques mas de muito domínio. Se for assim em Madrid, há problemas a vista. Futebol cheio de gracinhas, toques curtos e de um lado para o outro irrita, é muito passivo, provável de tomar gol. A marcação é fraca e não sabem sair jogando.

 Será precisou outra jogada de gênio de José Mourinho para acertar a equipe a tempo. Coisas do Zé.

 

Olympique 0x0 Manchester United

 Não precisava ter sido tão difícil.

 A intensão ficou clara desde o início: o Manchester foi lá pra empatar.

 Tanto que eles seguraram e muito a pressão do time francês. Com pequenas excessões de jogadas perigosas de Rooney e Nani, foi o Olympique quem manteve o controle do jogo e uma postura mais ofensiva, digna de um time que joga em casa e busca um resultado positivo a todo custo.

 E o Manchester foi deixando-os crescer, confiando em sua defesa impenetrável.

 Resultado muito bom para o jogo da volta. O Old Trafford e o apoio da torcida realmente fazem a diferença, e precisando só de uma mínima vitória, o Manchester vai como grande favorito à classificação. O poder de reação do Olympique será testado, mas duvido que reaja.

 

Internazionale de Milão 0x1 Bayern de Munique

 Infelicidade de um, tristeza de milhares.

 A Inter pediu para perder esse jogo. Entrou em campo com uma formação muito defensivo, cheia de volantes, só um atacante (Eto'o) e um meia de armação (Sneijder). É retranca demais para quem quer o resultado em casa. Era de se esperar algo assim no jogo da volta, quem sabe.

 E foi bem assim: a Inter tocando a bola sem conclusões, Eto'o vindo buscar jogo desesperado sem ter chances. Só algumas jogadas individuais do camaronês, exigindo bem o jovem goleiro Kraft. Enquanto o Bayern era organizado, apesar de nervoso. Jogava bem aberto pelas pontas, e lá encontravam muita facilidade.

 Mas com toda a calma do mundo, Robben teve espaço, chutou de fora e contou com Julio Cesar soltando a bola no pé de Mário Gómez. Derrota feia em casa.

 Uma derrota na covardia. Acumulam agora um problemaço pro jogo da volta, lá na Allianz Arena.

 Já o Bayern fez sua parte e com muita destreza, agora colhe os bons frutos. Vingança bem apreciada, e com um toque italiano.

 

 Derrotas ridículas dos italianos em casa (Inter, Milan e Roma), provando que a bola pune quem não a trata bem. Futebol é simples: basta jogar. Foi o que não fizeram.

 Real e Barça não conseguiram o que esperavam, mas nem por isso diminuíram no otimismo. Os catalães perderam fora, mas precisam vencer simples em casa que classificam, só precisa que o Messi jogue mais do que sabe. Pro Real, 0 a 0 classifica, mas para não correr riscos, uma boa atuação de Cristiano Ronaldo e Adebayor é o suficiente.

 Os ingleses estão tranquilos. Arsenal venceu em casa e joga pelo empate na Espanha. Tottenham e Chelsea venceram fora e jogam fácil em casa. Manchester empatou sem gols e precisa de um placar mínimo. Nada impossível.

 

 Com ingleses cheios de sua soberba calma e com italianos nervosos como sempre, as oitavas-de-final vão se decidindo.



Categoria: Liga dos Campeões
 Escrito por Danilo Albuquerque às 19h47 [] [envie esta mensagem] []






Uma fênix

 

 "O Fluminense está uma gracinha nessa Libertadores"

 Milton Neves definiu perfeitamente com essa frase a fase do Fluzão, que tá mais pra Fluzinho, na Libertadores.

 

 O campeão brasileiro normalmente chega a Libertadores do ano seguinte como o favorito e o mais temido.

 Mas o que tem sido uma sina agora parece ter acabado.

 Campeão com uma campanha impecável em 2010, o Fluminense tem se atrapalhado no próprio favoritismo na Liberta esse ano.

 

 Já são dois empates seguidos jogando em casa!

 Pior que isso é o mísero TERCEIRO LUGAR no Grupo 3, com só dois pontos, atrás de América do México com 3 e Argentinos Juniors com 4.

 Por não ter feito seu papel em casa, o Flu se complicou demais no andar da competição. Agora terá mais quatro jogos, sendo três deles fora de casa, tendo que vencer ou vencer para sonhar com a classificação de pelo menos segundo colocado.

 Muito pouco para o melhor time do Brasil.

 

 Pouco também para o melhor jogador do Brasil.

 Conca tem jogado abaixo do ruim.

 Não jogou nada até agora, nem no Carioca e nem na Liberta. O tempo de desconto já passou faz tempo, e cadê o futebol?

 "Parece que está com malária!" como classificou Jorge Kajuru.

 

 O time todo é que está doente.

 A explicação de Muricy Ramalho foi, no mínimo, curiosa.

 Foi simples: no ano passado, ele disse que o time estava incerto em campo, precisando se arrumar taticamente, mas era competente nas finalizações e por isso fazia tantos gols e ganhava tantos jogos. Este ano o discurso foi absolutamente o contrário: o time está correto taticamente mas está pecando nas finalizações e por isso não tem jogado bem.

 

 ISSO FAZ ALGUM SENTIDO??

 

 Muricy estava bravo com seu time no momento de maiores vitórias em campo, e agora está satisfeito no momento mais instável de uns meses para cá!

 O que me faz refletir o que é futebol na cabeça dos treinadores.

 

 Eu sou daqueles que acredita que futebol é bola na rede.

 Torcedor não liga pra como o time está posicionado em campo. Se um 4-1-2-1-2 ou 4-2-3-1, o que importa é fazer gols e ganhar seus jogos. E não é disso que é feito o futebol?

 Não é de toques bem acertados, não é de jogadas ensaiadas, É DE GOLS!!!

 E gol é uma coisa que não se tem visto no Fluminense. E isso não motivo para satisfaçao.

 

 Lógico, aliar boa aplicação tática com placares largos é o ideal, mas se não houver conciliação entre as partes, que venham só os gols!

 O Fluminense está INCOMPETENTE e essa é a palavra. Não está sem sorte, sem pontaria, está incompetente. Quem não sabe fazer gol não tem mérito nenhum e não merece ganhar. Nem jogando em casa para milhares de torcedores.

 Se a coisa não está dando certo, hora do "fator fluminense": não são time de guerreiro? Pois que mostrem sua garra! Que lutem até o fim, sem esquema e sem ordem, que percam por isso mas que não sejam omissos como têm sido. Nenhuma chance a gol importante contra o Nacional e a melhor chance foram deles! Na casa do Flu!!!

 Absurdo.

 Não queria ver uma Libertadores com cara de Brasileirão de 2009. Aquele em que o Flu passou o campeonato inteiro na zona de rebaixamento e se salvou nas últimas rodadas. Não era necessário até pelo elenco que tem.

 Mas aos poucos vou vendo o time ir perdendo sua força e virando cinzas.

 

 Hora da ressureição?



 Escrito por Danilo Albuquerque às 00h07 [] [envie esta mensagem] []






FOTO: bola murcha

 

 Durante o NBA All Star Game desse ano, foi noticiado que os donos do Sacramento Kings estão negociando uma possível transferência do time para a cidade de Anaheim, também na Califórnia.

 E para demonstrar a revolta do povo de Sacramento, uma empresa de publicidade fez questão de exibir este outdoor acima, cuja tradução é "Fim de jogo. Se os Kings saírem, todos nós perdemos".

 

 O prazo para a mudança e a inscrição do novo time termina no dia 1º de março.

 

 No Campeonato Paulista tivemos uma situação parecida. Além do Grêmio Barueri vender seus direitos e ir para Presidente Prudente virar Grêmio Prudente, temos também o Rio Branco, que passou a se chamar Americana.

 

 Eu achava que só o futebol tinha virado negócio. Mas a NBA sempre foi um também. Hoje em dias os valores em cifras valem mais que os valores das torcidas.

 Bola murcha ao capitalismo descontrolado.



 Escrito por Danilo Albuquerque às 16h47 [] [envie esta mensagem] []






 
 

Ilan House

http://globoesporte.globo.com/platb/ilanhouse/

Classificação:

 

 O caro amigo jornalista José Ilan do Globoesporte.com indicou o meu blog entre os tweets dele ontem.

 Nada mais justo que retribuir indicando o dele.

 

 Um blog com vídeos, boas fotos, boa opinião sobre esporte e sem dúvida uma boa fonte de informações quentinhas.

 Só suas previsiões que quase sempre são furadas! Kkkk

 

 Visitem o cara, é muito bom.



Categoria: Link
 Escrito por Danilo Albuquerque às 21h02 [] [envie esta mensagem] []






Clube dos Oito

 

 A foto contraria o título, mas eu vou explicar.

 

 O Clube dos Treze é uam associação entre os 20 principais times do futebol brasileiro (apesar do nome ser treze, porque na época da fundação, eram treze integrantes) para defender os interesses políticos e comerciais, como direitos de transmissão de rádio e TV e propagandas.

 O presidente é o Fabio Koff, que está no poder desde 1995. Quase um poderoso chefão.

 No entanto, suas atitudes têm sido dignas de um verdadeiro mafioso italiano.

 

 O Clube dos Treze divulgou um edital sobre os direitos de transmissão dos campeonatos de 2012, 2013 e 2014 para a TV aberta, garantindo um mínimo de R$ 500 milhões por ano. A intenção de acumular 1,5 bilhão no triênio pode ainda ser superada, pois a TV Globo é detentora dos direitos atuais, e se alguma outra emissora quiser entrar na briga, precisa pagar R$ 550 milhões.

 Os clubes exigem um adiantamento de 20% da emissora que comprar os direitos, que esse ano passará a ter licitações separadas para TV aberta, fechada, placas de publicidades, telefonia móvel, internet e direitos internacionais. E só com estes direitos a pretensão de arrecadação chega a R$ 800 milhões por ano.

 

 No entanto, esse papel do Clube de negociar os direitos tem desagradado muito alguns clubes, que já anunciaram sua desfiliação.

 O Corinthians se mostrou insatisfeito com isso, e anunciou que pretende negociar os direitos separadamente. Seu principal argumento é de que o Corinthians e o Flamengo, por terem as maiores torcidas do Brasil, deveriam ter "uma fatia maior do bolo" nos negócios justamente por gerarem mais audiência. Reconhecimento e valoração, em outras palavras.

 O Flamengo, assim como os outros cariocas, também já se desvenciliaram. O argumento é o mesmo, surpreendendo o presidente Koff, que disse estar decepcionado com Fla e Botafogo em especial, por dizerem que o trabalho estava sendo feito com muita qualidade e depois mudarem de ideia. Flamengo e Fluminense votaram em Koff na última eleição.

 E o Coritiba parece ser o próximo da lista a ganhar liberdade para negociar sozinho.

 

 Fato é que ninguém suporta mais o Clube dos Treze, nem os que ficaram.

 Em 2007, já houveram tentativas de separação. Fla, Bota, São Paulo, Cruzeiro e Atlético-MG eram contra o presidente Koff, e ali eles já queriam criar um canal independente para os clubes negociarem seu direitos a seus modos e a seus gostos.

 A intenção de quem saiu hoje é a mesma desses citados.

 É muito difícil um órgão, que é bom que se diga NÃO TEM O RECONHECIMENTO DA CBF, manter tantos interesses, amarrá-los e conseguir conciliá-los do melhor modo possível, já que como eu sempre disse o futebol virou negócio, cada um quer ganhar mais do melhor jeito, e não de um jeito comum.

 São clubes diferentes e são casos diferentes.

 Corinthians e Flamengo são os times das massas, com maiores torcedores, e é lógico que não iam se contentar em ganhar o que um Guarani ganha. Não é nem questão de ganância, é uma questão de justiça. Há de se levar em conta que os interesses em transmissão dos jogos hoje em dia é fundamental no orçamento de todo clube, é muito dinheiro. E clubes com a folha salarial menor acabam se beneficiando, e outros com maiores necessidades acabam se prejudicando. É injusto.

 Apesar de eu achar que, no fundo o fundo, Corinthians e Flamengo querem monopolizar a economia do futebol brasileiro e fazer daqui uma Espanha (só dois times grandes), eu entendo a insatisfação. Ela é geral.

 O Clube dos Treze hoje perdeu totalmente sua utilidade. Saiu do prazo de validade.

 É questão de tempo para que se dissolva totalmente. Até lá, há de se esperar ainda mais processos e ainda mais briga. Até tudo acabar, como um castelo de cartas.

 

 O futuro das transmissões de TV ainda é incerto. Pode ficar muito complicado negociar com cada clube, os valores individuais podem variar muito e causar nova discórdia entre os clubes.

 O curioso é que as brigas parecem ter saído dos campos e entrado nos bastidores. Cartolas perdendo a linha, batendo boca, caindo na porrada com fotógrafo.

 Tem gente que chama isso de fim do mundo. Eu chamo futebol brasileiro.



 Escrito por Danilo Albuquerque às 19h44 [] [envie esta mensagem] []






É só uma taça com bolas, ora bolas!

 Depois da aposentadoria de Ronaldo, o assunto mais massante e chato da semana esportiva é, sem dúvida nenhuma, a briga pela Taça das Bolinhas.

 

 A história toda é enorme, enrolada e complicada, portanto vou tratar de resumir. Ou tentar.

 

 A CBF, em mais uma de suas palhaçadas sem sentido algum, criou um prêmio destinado ao primeiro clube brasileiro que conseguisse ganhar cinco Campeonatos Brasileiros ou três, só que de maneira consecutiva. O prêmio é a chamada Taça das Bolinhas, que como o nome já diz, é cheia de bolinhas interligadas. Sem o menor significado.

 Pois bem.

 Em 1987 é que começou todo o rolo. A CBF criou naquele ano a Copa União, que é como um Brasileirão, só que dividia os times participantes em dois grupos: os fodões e os de segundo escalão. O campeão e o vice de cada grupo deviam se enfrentar num mata-mata final pra decidir o grande campeão.

 O campeão dos fodões, no caso, foi o Flamengo, e o vice o Inter. Nos dos de segundo escalão, deu Sport, e o vice o Guarani.

 O que estava pronto pra começar uma fase final acabou virando embargo. A CBF não aprovara a fase decisiva final e o Flamengo se recusou a jogar, declarando então que o Sport era o campeão daquele ano. Porém, o Flamengo buscou seus direitos e também saiu daquele ano campeão, conseguindo seu quinto título, o penta, o direito das Bolinhas.

 Direito não reconhecido pela CBF.

 Então o São Paulo foi lá e conseguiu seu quinto título em 2007, confirmando com seu sexto em 2008, o primeiro tricampeão seguido. Portanto, como a CBF não tinah reconhecido o Flamengo como campeão de 87, deu a Taça pro São Paulo, reconhecido e judicialmente aprovado.

 Mas o Fla foi na justiça, motivado quem sabe pelo reconhecimento da CBF aos títulos da década de 60 de alguns outros times, ganhou o processo, ganhou o reconhecimetno da CBF como campeão brasileiro de 87 JUNTO COM O SPORT e agora cobra do São Paulo que devolva a taça ao novo dono, que na verdade não é novo.

 O São Paulo tem um mandato que lhe garante a posse da taça, mas parece agora que perdeu e tem algumas horas pra devolvê-la à Caixa. Coisa que o clube se recusou a fazer, e com razão. Deram agora querem tomar?

 

 Se você leitor conseguiu ler tudinho até aqui, parabéns, porque eu quase que não consigo escrever tudo. E mesmo resumido, ficou enorme.

 

 Queria que vocês vissem o tamanho do problema que a CBF, sozinha, criou para si. Pôs clubes em pé de guerra por causa de uma taça sem o menor sentido, pois ninguém ganha dinheiro, nem título, nem reconhecimento com aquilo. Só ganham uma taça estranha.

 Taça que todos não mede esforços pra conseguir.

 O Flamengo cobra "nobreza" do Tricolor para que a devolva, e o São Paulo se apóia na lei pra ficar com ela. Lei que, de uma hora pra outra, mudou. E que pode mudar de novo.

 

 Nada resolvido. E as brigas continuam.

 

 Não entendo o porquê disso tudo.

 Ricardo Teixeira se contradiz nos próprios atos. Não tem discurso firme, nem opinião formada, nem ideia da lama e da bola de neve que está se atolando.

 Tudo isso por causa de uma tentativa de mostrar "gratidão" aos clubes, mostrando que reconhece os campeões, que não esquece a história e blablablá. Conversa pra boi dormir.

 Tentativas de mascarar a incompetência e esconder a sujeira que é aquele órgão do futebol, comandado por verdadeiros dinosssauros, jurássicos, obsoletos.

 Não seria muito mais fácil dizer que essa taça foi um grande engano, que foi um grande erro, que ela não tem mais a menor validade (como antes não tinha) e que será removida e trocada por pedidos formais de desculpa? A vaidade não deixa.

 Ou então dizer que todo pentacampeão, a partir de agora, vai receber uma igual? Ou todo tri seguido?

 Ou criar uma final São Paulo x Flamengo, jogos de ida e volta pra decidir de uma vez por todas?

 Ou dar outra taça pro Flamengo?

 TANTAS SOLUÇÕES!!! Nenhuma dessas foge a realidade e é tão fantasiosa quanto toda essa história já foi. E ainda será.

 

 É bom para vermos o quanto de interesses há no futebol. E o quanto essa cartolagem é sem noção.



 Escrito por Danilo Albuquerque às 23h39 [] [envie esta mensagem] []






Conflitos fora do asfalto

 O Bahrein nunca foi um campo de guerra.

 Sempre foi caracterizado por sua monarquia absolutista, e apesar de ter duas facções religiosas, nunca foi de ter conflitos políticos ou religiosos. Sempre estável.

 No entanto, ultimamente certos eventos têm comprometido esta estabilidade.

 

 Uma onda de protetos políticos assolou o país nas últimas semanas.

 Conflitos armados por parte da população têm posto em prova a segurança e a paz deste país árabe tão tranquilo.

 

 E essa tensão política atingiu diretamente o mundo do esporte. Mais especificamente do automobilismo.

 

 Tanto o Bahrein quanto alguns outros países do Oriente Médio têm roubado a cena na Fórmula 1. A crescente expansão econômica destes países fomentada pela venda do petróleo tem atraído muitas atenções, inclusive interesses da principal categoria do automobilismo mundial.

 Grandes estruturas, uma organização impecável, tecnologia e modernidade são os principais fatores que incluíram este oásis esportivo do meio do deserto.

 

 No entanto, estes conflitos repentinos no país obrigaram as autoridades a cancelarem o GP do Bahrein, que iria abrir o calendário da F1, no dia 13 de março.

 Assim como também foi cancelada a última sessão de treinos, no circuito de Sahkir, entre os dias 3 e 6 de março.

 Até que se abaixe a poeira.

 

 Há especulações de que não tenha sido um não definitivo pra esse ano.

 Jornais ingleses já dizem numa possível dobradinha do GP do Bahrein com o de Abu Dhabi, penúltimo do calendário, no dia 20 de novembro.

 Mas eu duvido.

 

 Não é hora. Não adianta rever.

 É certo que o país perdeu um bom dinheiro cancelando a prova, mas não acredito numa mudança tão repentina que faça o país voltar ao calendário para ainda este ano. Mas ano que vem estão de volta como sempre, e com a mesma confiança e o mesmo dinheiro de sempre.

 Afinal, correr nessas terras virou tendência. E ela não vai passar.

 

 O que tem que passar são essas crises políticas, que sempre me assustam. Muito pela intensidade de como elas ocorrem, sempre trazendo mortes, dividindo o país, causando escândalo, envolvendo problemas com jornalistas estrangeiros. É sempre do mesmo jeito.

 Talvez reajo desse jeito por não ser comum coisas assim no Brasil. Manifestações em grande número. O brasileiro por si não tem essa iniciativa, o que nesse caso até seria uma vantagem.

 E de um tempo para cá tem sido ainda mais comum ver coisas desse tipo nos noticiários. Ainda mais para aquela região, que sempre foi um ninho de conflitos pacificados. Poeira debaixo do tapete sendo revelada aos poucos.

 Mas o buraco é mais embaixo e não vai parar por aí.

 Primeiro uma renúncia brigada e exaustiva no Egito, agora no Bahrein. Não é muito difícil prever algo assim em Abu Dhabi, no Qatar ou em algum outro país islâmico importante.

 

 Mas o mundo esportivo não pára.

 O circo da Fórmula 1 vai montar sua lona em outro lugar. Em Melbourne, na Austrália, dia 27 de março mais especificamente.

 Até lá, treinos gerais em vários lugares, sempre alternando posições, nada de relevante.

 De concreto, só que vai ter Fórmula 1 uma semana mais tarde, Australia é quem abre agora, Bahrein está fora e a temporada termina no Brasil.

 O resto é imprevisível. E tem que ser assim, e de preferência, sem brigas.



 Escrito por Danilo Albuquerque às 23h54 [] [envie esta mensagem] []






Wazari nelas!

 A caminhada rumo a Pequim já começou. E não foi só no futebol.

 

 A judoca Rafaela Silva conquistou a medalha de ouro no Grand Prix em Dusseldorf na categoria leve (até 57 kg) vencendo somente a melhor do mundo, a japonesa Kaori Matsumoto!

 A brasileira ocupa a 26ª posição e pode se considerar uma zebra.

 O próximo passso é a Copa do Mundo de Praga, que acontece no próximo final de semana.

 

 A atleta é carioca, nascida na Cidade de Deus, e teve contato com o judô através do Instituto Reação.

 Uma prova de superação dos limites e das condições sociais.

 

 O que é que todos sempre vem dizendo: investir no esporte certamente traz bons frutos.

 Uma garota pobre, sem condições e expectativas na vida, encontra no esporte uma opção para fugir dos problemas do mundo e dar uma vida melhor a si mesma e a família.

 E hoje tem condições até mesmo de sonhar a ir a uma Olimpíada.

 Uma garota da Cidade de Deus.

 

 Ótimo pro judô brasileiro, que vem crescendo de um jeito animador nos últimos anos.

 E que isso se mantenha até as Olimpíadas, porque todo mundo sabe que no momento mais importante, a perna treme e o brasileiro amarela.

 Que de amarelo, só o brilho do ouro permaneça.



 Escrito por Danilo Albuquerque às 15h52 [] [envie esta mensagem] []






 
 

Cruzeiro é igual vestibular, dando chance para os analfabetos e fudendo os estudiantes"

Autor: @ElisaCardoso

Buscar na Web "@ElisaCardoso"

 



Categoria: Citação
 Escrito por Danilo Albuquerque às 01h10 [] [envie esta mensagem] []






Notícias atrasadas (parte 2)

 Continuando as notícias atrasadas da semana, antes de voltar a postar novamente no mesmo ritmo diário.

 Mea culpa, parte dois.

 

Declarações de Pelé

 Pelé, em entrevista coletiva, declarou estar preocupado com a organização do comitê brasileiro para a Copa de 2014. Disse que o Brasil pode acabar se envergonhando pelo trabalho feito e cobrou mais eficência e mais rapidez no andamento das obras e ddos projetos.

 Nada como uma corneta real soar pra fazer vagabundo trabalhar.

 Pelé sempre foi polêmico, sempre disse o que quis. E desse vez não tiro a sua razão. O jogo de interesses nos estádios, nos orçamentos, nos patrocínios, tudo isso preocupa E MUITO. A questão do estádio de São Paulo, da abertura da Copa, do embargo no Maracanã, da demora nas obras, tudo isso preocupa até o rei do futebol.

 Então é sério mesmo.

 É o que eu venho falando há tempos. Tá errado, tem muita gente interessada, muita polêmica onde não devia e o medo é inevitável. Pode tudo dar errado.

 Quando muita gente mete a mão, a ética e a moral ficam em segundo plano.

 

Insatisfação de Paulo Henrique Ganso

 Não é de hoje que o Ganso está descontente com sua situação no Santos.

 Ele recebe menos que o Neymar e já cobrou da diretoria um reajuste. Seu empresário tratou de polemizar e criar um leilão pelo jogador, ameaçando de tirar o jovem craque do Peixe e levá-lo ao Corinthians, que banca o salário pedido pelo dinheiro dos investidores de Ronaldo.

 Ganso foi aconselhado por muita gente, inclusive o rei Pelé, santista e experiente no ramo. Todo mundo dizendo pra ele ter calma, dizendo que é um desperdício de talento, uma bobeira, desnecessário.

 E o Ganso na mesma.

 Vou ser prático e seguir a opinião comum. Não quero acreditar que seja o sucesso subindo a cabeça. Ele não parece ser desses.

 Quero acreditar que são alguns maus conselhos. A maior parte deles vindo do empresário e de gente interesseira. E isso é um perigo. É o resultado do futebol-negócio, do jogador-empresa, do capital externo movimento e influindo no mundo do futebol. Altos valores, altas propostas, não há como recusar.

 E muitos se iludem. Não queria que chegasse a esse tal ponto, e logo com ele, um meia tão habilidoso, de um futuro tão promissor.

 Espero que a consciência o ajude. E que Deus o proteja.



 Escrito por Danilo Albuquerque às 00h25 [] [envie esta mensagem] []






Notícias atrasadas (parte 1)

 Como sempre, fiquei um tempo sem postar e perdi algumas notícias importantíssimas dessa semana agitada no mundo do futebol.

 Vou fazer meus comentários, só pra não passar em branco. Mea culpa

 

Aposentadoria de Ronaldo

 Não sei se ainda pretendo fazer alguma homenagem em post ou vídeo pra ele, mas com certeza não seria um desperdício de tempo e espaço.

 Ronaldo deixa o futebol em baixa com a torcida corinthiana, após não conseguir a tão sonhada Libertadores. Não conseguiu sequer a classificação. Pior do que isso é não ter jogado nada desde que o ano começou.

 Seu hipotireoidismo foi a desculpa apontada pelo craque, que nem precisava se desculpar. O peso era um mal sim, motivo de chacota dos adversários e dos programas humorísticos.

 Mas nenhum outro mal foi maior que a revolta da torcida corinthiana.

 Sim! E não adianta virem falar do peso, da idade ou de coisa alguma. Foi um ônibus apedrejado, gritos ofensivos da torcida, ameaças, pancadaria, escolta, todo esse clima hostil pesou e foi essencial pra que o Fenômeno decidisse pendurar as chuteiras.

 

 Uma pena.

 

 Ronaldo já vinha num fim de carreira há muito tempo. Vir para o Brasil já anunciava seus últimos passos no futebol. Os títulos da Copa do Brasil e do Paulistão de 2009 eram a coroação  perfeita para um craque sem limites. Era o momento certo, não havia necessidade de mais.

 Concordo com o Pelé de que ali seria a hora da aposentadoria.

 No entanto, a obcessão pela Libertadores foi maior. Maior que as dores, maior que os problemas, maior que os limites. E insandecido e irresponsável, Ronaldo decidiu arriscar em não só uma, como em duas vezes tentar o título continental, sem ter a forma ideal do goleador artilheiro que todos conhecemos.

 Já não era mais necessário.

 Os serviços já tinham sido muito eficazes, e a partir dali seriam desnecessários.

 Iam se tornar um peso pro clube, vivendo no depto. médico e jogando nada em campo. Daí o grito "o Coringão não é o seu spa!".

 Injustiça. Merecia ter sido aplaudido pela última vez, se soubessem que haveria uma última vez. As vaias contra o Tolima eram merecidas, mas ninguém mais que ele merecia aplausos. Aposentadoria repentina, lamentações gerais.

 Entra pra história, o maior artilheiro das Copas de todos os tempos.

 E assim será lembrado por todos os tempos, assim como Pelé, Maradona, Cruyff, Beckenbauer, Platini, Paolo Rossi entre outros.

 Especialmente por mim, que sou da "geração Ronaldo". Vi jogar, e em campo foi o melhor que eu vi. E não esquecerei.

 

Título e classificação no Sub-20

 Coroado o trabalho e a eficiência.

 Uma seleção perfeita, que reunia os melhores jogadores sub20 do país, indiscutivelmente, e que deu todo o show que se esperava dela. E pouquinho mais, até.

 A ausência de Phillippe Coutinho (nome difícil da peste!) trouxe um pouco de insegurança no início. Insegurança que aos poucos se mostrou completamente inocente. O Brasil jogou com personalidade, com vontade e com alegria em todos os jogos, mesmo alterando escalações, e formações e jogadores. Quem entrava fazia por onde.

 Mesmo dependendo muito do futebol de Lucas e Neymar, o Brasil trouxe a alegria, a descontração, o futebol moleque, o futebol arte, aquilo que nós brasileiros nos acostumamos a ver nos gloriosos tempos de ouro da seleção.

 Um título merecido e animador.

 Animador pois o futuro da seleção e do futebol brasileiro parece garantido nos pés do talento e da irreverência. E é só o pessoal sub20...

 Lucas coroado no jogo da final com três golaços, encerrando sua participação com chave de ouro. Jogou para o time em todos os momentos.

 Neymar termina como o maior artilheiro brasileiro em sulamericanos sub20. Melhor jogador pra ele, mais valorização e mais visibilidade. Hoje mostra seu cartão de visitas e apresenta ao mundo um futebol digno de futuro melhor do mundo. Que sabe até onde ele irá?

 E quem sabe até onde esses garotos todos irão? Muito sucesso e um futuro brilhante os esperam.

 E nós esperamos 2012, pois Londres já é o próximo destino.

 

Lucas: o mais caro da história

 O São Paulo renovou o contrato do jovem meia até 2015, aumentou demasi o seu salário e sua multa recisória, agora a maior do Brasil: 180 milhões de reais! Quase a soma das multas de Ganso e Neymar juntos!!!

 E tudo isso com 18 anos!

 Decisão muito coesa da diretoria, que em plena consciência de seu ato, preserva um tesouro nacional da concorrência externa e dá valor a formação do atleta em território nacional. Um projeto a longo prazo, muito bem arquitetado e seguro, sem dúvida.

 Nos tempos de hoje, em que o clube perde atletas jovens para o exterior muito cedo, valorizar um jogador tão jovem e com tão grande futuro é coisa rara e atitude louvável. É apostar no talento, no desenvolvimento e no retorno lucrativo de um clube muito bem estruturado. E que não para de crescer.

 Assim como o Lucas. Sua identificação com o Tricolor foi imediata, e agora foi reconhecida. A recíproca é verdadeira. E o futebol é de primeira.

 

Champions League: oitavas-de-final

 Quatro jogos abriram as oitavas-de-final do torneio interclubes mais importante do mundo.

 Empate sem graça entre Valencia e Schalke 04, 1 a 1, nada decidido. Só o Raúl, artileiro espanhol, sempre decidindo.

 O Milan tropeçou feio em casa e perdeu pro Tottenham por 1 a 0. Pior que a derrota foi o papelão do descontrolado Gattuso (o qual eu irei falar mais depois), que não se entendeu com o atacante Peter Crouch, distribuiu braços na cara, chutes nas pernas e até partiu pra cima do técnico do time inglês, enfiando a mão na cara do manager. Desequilíbrio emocional e instabilidade em campo, em que o Milan teve apenas uns 10 minutos de Milan, duas chances bem defendidas por Gomes e nada mais. Pato no banco é desperdício e burrice. Estão agora pagando o pato.

 Vitória larga do Shakhtar Donetski fora de casa contra o Roma por 3 a 2, com direito a vaias da torcida do time da casa, que não jogou nada e ainda achou um gol no segundo tempo. O show ficou por conta dos brasileiros Jadson, Douglas Costa e Luiz Adriano, que fizeram a festa na desatenta defesa romana. É tanto brasileiro indo pro leste europeu que é nesses jogos que a gente vê como eles são importantes por lá. O ataque é só verde e amarelo.

 E o Arsenal virou pra cima do Barcelona em casa (vira vira vira, ...) numa atuação destacada de Van Persie. Golaço sem ângulo e esperanças reacendidas. Arshavin entrando no segundo pra decidir a vitória e trazer confiança. Messi jogou pouco (não jogou mal não), menos do que está acostumado, mas já foi o bastante. Esse resultado é bom pros Gunners, mas foi pouco pra quem quer ganahr do Barça, que sempre surpreende, aliado ao fator "imprevisível" que eles têm. E no Camp Nou, e com um Messi melhor, e com Puyol de volta. Não há motivo algum pra comemorar ainda.

 

 Nessa semana, o fim dos jogos de ida.

 

 O Real vai a Lyon para espantar o fantasma da eliminação do ano passado, já em clima de rivalidade. No mesmo dia, o Chelsea busca se estabilizar jogando nas frias terra da Dinamarca contra o FC Copenhague.

 Na quarta, a reedição da final do ano passado: Inter de Milão recebe o Bayern de Munique, e as atenções estão voltadas para ver quem masi evoluiu de um ano pra cá. E o Olympique recebe o Manchester United, embalado pela liderança no inglês e por boas atuações.

 

 Palpites: Lyon 0x2 Real, FC Copenhague 1x0 Chelsea, Inter 3x1 Bayern, Olympique 2x3 Manchester United

 

Os brasileiros na Libertadores

 O Grêmio enfiou 3 a 0 no Oriente Petrolero, no Olímpico, fazendo prevalecer a força da torcida e já mostrando um bom cartão de visitas. O adversário não apresentou risco e o time da casa fez o que dele se esperava. Jogou fino, grande atuação de Douglas, que se ajusta ao time com elegância e perfeição.

 O Fluminense empatou com o Argentinos Juniors em 2 a 2 em pleno Maracanã lotado. O time carioca jogou bem, passou a maior parte do tempo em cima, martelando, foi eficiente nos gols que fez, mas displicente nos que levou. O goleiro Diego Cavalieri saiu vaiado, mas não teve culpa nos gols. Foram falahs da defesa, que não pode levar dois gols de cabeça de um atacante de 1,65m. Muitas preocupações nesse setor.

 

 O Santos empatou com o Deportivo Táchira fora de casa num sem graça 0 a 0. Pior que o empate contra um time fraco foi o futebolzinho apresentado. Longe da magia santista que teve até agora. Justamente na volta dos atletas da sub20, incluindo Neymar, que nada fez e ficou devendo. O time deve se acertar em questão de tempo.

 

 O Internacional bobeou e saiu com um emapte em 1 a 1 fora de casa. Vencendo até os 46 do segundo tempo, tomou um gol de cabeça de bobeira, com a defesa toda parada, ninguém acompanhando. Jogou bem mas deslizou no final. Prova de que esse esquema do Celso Roth é muito falho e muito retranqueiro. Não havia necessidade disso, e posso dizer que pelo jeito que o time gaúcho entrou em campo, fazer um gol foi muita vantagem. Não é a toa que o técnico pode cair a qualquer hora. Já devia.

 

 O Cruzeiro foi quem fez mais bonito. Goleou, e com sobras, o campeão de 2009, o Estudiantes, por 5 a 0 no Mineirão lotado. Atuações brilhantes de Wallyson e Montillo, sempre decisivo e em grande fase que ainda dura. Roger também fez o dele, provando que tem lugar no time e terminando com a polêmica da escalação. Problema se termina desse jeito: com gols.

 

(Continua acima...)



 Escrito por Danilo Albuquerque às 20h50 [] [envie esta mensagem] []






Sempre tem razão

 Na padaria, todo brasileiro é freguês de um pão francês.

 No futebol, a coisa é mais ou menos desse jeito.

 

 Para Mano Menezes, não existe tabu. Cada jogo é um jogo, cada momento é um momento, sem comparação.

 Mas chega uma hora que não dá pra deixar de comparar.

 

 Mais uma vez, e por mais um bom tempo, o Brasil perde da França e confirma sua freguesia com os azuis.

 Já são 19 anos com duração de mais um bom tempo! Parabéns, Seleção Brasileira!

 Nesta partida perdida, muitas infelicidades e o brasileiro puto da vida.

 

 O novo uniforme já dizia: o Brasil vai ser feio.

 O começo, no entanto, era animador. O Brasil jogava com autonomia, distribuía o jogo, rodava a bola, tocava fácil. "Alegre"  como definiu Galvão na transmissão.

 A pressão da torcida da casa era visível. Banderinhas da França coloriam o Stade de France, inundado por uma enorme onda interminável da ola.

 Mas o Brasil jogava em cima, marcava bem.

 

 Isso até o jogo de futebol virar MMA.

 

 Hernanes, completamente imprudente, meteu o pé no peito do atacante Benzema, da França. Primeiro cartão do jogo, primeiro jogador expulso.

 E ainda tiveram a cara de pau de reclamar do juiz!!! Aquilo foi no mínimo irresponsável, e o cartão veio de maneira correta. Não restava ao sr. Stark o que fazer.

 

 E como todo time que perde um jogador, o Brasil se desmontou como um castelo de cartas.

 Ainda tentava se organizar, fazer uma jogada boa. Mas ela só veio com Hulk, no finzinho do segundo tempo.

 

 Antes dela veio a desgraça.

 Boa ultrapassagem (a lá Alessandro do Timão) de Ménez, cruzamento e ninguém marcando Benzema, que fez o gol que André Lima não fez.

 Benzema ainda foi o responsável por outras duas jogadas de perigo da França, que pararam em Julio Cesar, grandes defesas no reflexo.

 

 No Brasil, além do golpe de capoeira de Hernanes, Renato Augusto também decepcionou e não rendeu com a 10. O peso dela é foda.

 

 Quem pegou uma 10 e não sentiu foi Benzema, o grande nome do jogo. Levou pesada no peito, fez gol, levou dois lances de perigo, saiu aplaudido e consagrado, consagrando a França, que sai vitoriosa e um pouco menos aliviada, pois ganhar do Brasil é sempre bom.

 Já o Brasil sai de cabeça erguida, pois não fez um mau jogo se considerarmos que jogou com 10 o segundo tempo inteiro. Com 11 jogava mais que o adversário. Méritos não faltam.

 

 Problemas também.

 

 Ganso e Kaká são os favoritos pra camisa 10, mas enquanto eles não voltam, ela continua vaga.

 E ninguém parece se encaixar no esquema tão simples e competente que Mano armou.

 Como isso? Será que a fase é tão ruim que nem um 10 nós temos pra jogar na seleção?

 

 Pensando seriamente posso ver que a situação é grave.

 Thiago Neves do Fla, Bruno Cesar e Danilo do Corinthians e Lucas do São Paulo são os únicos que eu vejo que ainda merecem jogar pelo futebol e pela idade, já pensando no futuro (tirando Ganso e Kaká).

 Como as coisas ficaram tão ruins?

 

 E por que sempre a França?

 Eles não jogaram muita coisa, fizeram um futebol muito comum, nada de espetacular, só o suficiente pra ganhar de um placar mínimo com um homem a mais.

 Assim como aquela França de 2006 também não tinha muito de espetacular. A de 98 até que tinha...

 Prova que existe tabu no futebol SIM, mesmo cada jogo sendo um jogo. O retrospecto, a tradição e a história entram em campo sim, seja por uma pressão psicológico, pressão da torcida, cobrança da mídia ou dos próprios jogadores.

 

 A derrota não chega a preocupar.

 O Brasil ainda tem mais um amistoso, contra Holanda, o último antes da Copa América. E aí sim, se os resultados não virem, a coisa pode se complicar de uma maneira perigosa. Como uma bola de neve, que hoje ainda é pequena.

 Pegamos dois rivais clássicos, perdemos de pouco pra duas e ainda teremos mais uma em seguida. A seleção do Mano começa a passar por provas de verdade, e em cada uma delas vai mostrando deficiências, e problemas, e necessidade de ajustes. O Brasil vai se adaptando a elas, se moldando, procurando a melhor forma.

 Mas se não achá-la logo, pode ficar complicado achar depois.

 

 A freguesia com a França continua. É melhor assim, pois nada melhor que acabar de vez com isso numa Copa do Mundo, em casa, quem sabe numa final. Aí não tem fantasma que resista.

 E eu sou brasileiro, freguês, e tenho razão.



 Escrito por Danilo Albuquerque às 18h15 [] [envie esta mensagem] []






 
 

Brasil x Equador

http://esporteinterativo.terra.com.br/pre-olimpico-de-futebol/brasil-encara-o-equador-em-jogo-decisivo-na-busca-por-uma-vaga-nos-jogos-olimpicos-de-londres-2012/

Data: 10/02/2011 - Hora: 00:10

Local: Universidad Nacional San Agustín, em Arequipa no Peru

 

 

 

 Agora eu quero ver.

 Depois da decepção com a seleção principal hoje (comento mais em outro post), cabe a sub-20 mostrar serviço.

 Até porque se não mostrar pode ser fatal.

 

 Depois de perder para a Argentina, o Brasil se complicou na fase hexagonal final desse Pré-Olímpico.

 É segundo colocado com 6 pontos, o mesmo da Argentina, só que vence no saldo de gols. O Uruguai lidera com 7 pontos e tem o Equador, adversário de logo mais, com 5 pontos em quarto.

 Ou seja, o Equador joga hoje a vida na competição. Uma derrota compromete a classificação.

 E uma derrota nossa compromete a NOSSA classificação.

 

 E pra piorar, o Brasil vem desfalcado, e muito!

 A zaga titular não joga. Bruno Uvini se machucou e está fora do resto da competição. Juan levou vermelho e cumpre suspensão. Saimon e Romário começam jogando.

 Neymar levou o segundo amarelo e também está fora. Diego Mauricio ganha uma chance no time

 E o time ganha uma chance.

 Uma chance de mostrar que tem personalidade pra jogar sem seu principal jogador sem depender dele, o que víamos até agora.  Uma chance de trazer de volta a confiança do time e da torcida na classificação, que só depende de nós mesmos! E ainda fazer gols pra não perder pra Argentina.

 Ou seja: o dia é hoje!

 Os reservas entram pra mostrar serviço e espero que mostrem. Principalmente o sr. Oscar, que até agora não jogou porcaria nenhuma e não justificou sua convocação. É bom jogador, mas é omisso.

 Que ele e o Lucas chamem a responsabilidade e não afinem.

 

 E pelo amor de Deus, que ninguém mais que jogue com a amarelinha seja expulso!

 

Brasil: Gabriel, Danilo, Saimon, Romário e Alex Sandro; Fernando, Casemiro, Lucas e Oscar; Diego Maurício e Willian José.

Equador: John Jaramillo; Mario Pineira, John Narváez, Dennys Quiñónez e Eder Fuertes; Fernando Gaibor, Dixon Arroyo, Juan Cazares e Marcos Caicedo; Marlon de Jesús e Edson Montaño

 

A Band e o Esporte Interativo transmitem o jogo ao vivo a partir das 23h50



Categoria: Evento
 Escrito por Danilo Albuquerque às 21h29 [] [envie esta mensagem] []






Final amistosa

 Hoje é dia de amistoso da Seleção Brasileira.

 Mas não são só França e Brasil que vão a campo hoje.

 

 Italia e Alemanha são um dos confrontos amistosos organizados pela FIFA pra hoje.

 O jogo marca a estréia do brasileiro Thiago Motta defendendo a Azurra. Depois de se naturalizar italiano atuando na Internazionale de Milão, Thiago não foi convocado pra seleçao (uma injustiça!) e acabou aceitando o convite da Federação Italiana. Pazzini é uam das esperanças dessa nova seleção, que tenate squecer o fracasso da última Copa.

 Na Alemanha, nenhuma surpresa. Apostando na confiança do elenco semifinalista da Copa do Mundo, Joachim Low continua no comando tentando provar que tem o time nas mãos.

 

 Mas o jogo do dia, sem dúvida, é Portugal x Argentina.

 Não muito pelos países, mas sim por dois jogadores.

 

 É um duelo particular de melhores do mundo: Cristiano Ronaldo e Lionel Messi!

 Só isso!!!

 

 Ambos são criticados por não jogarem na seleção o que jogam em seus clubes. Exemplo disso é a atuação deles na Copa: um gol de Cristiano e nenhum de Messi!

 CR7, melhor do mundo em 2008, tem feito uma temporada brilhante no Real Madrid. Mesmo não marcando muito nos últimos jogos, tem feito a diferença e agradado a todos os torcedores.

 Messi, melhor do mundo em 2009 e 2010, mantém uma estabilidade impressionante no Barcelona, que parece papar todos os títulos que disputa. Na Argentina, vem crescendo de produção, tendo feito um gol salvador no último minuto contra o Brasil.

 Um duelo de final de Copa do Rey antecipado e com outras camisas.

 

 Vejam outros confrontos do dia:

14h - Irã x Rússia
14h - Turquia x Coreia do Sul
14h30 - Macedônia x Camarões
14h45 - Croácia x República Tcheca
16h - Israel x Sérvia
17h15 - Dinamarca x Inglaterra
17h30 - Holanda x Áustria
17h45 - Alemanha x Itália
18h - Argentina x Portugal
18h - França x Brasil
18h30 - Espanha x Colômbia

 

 Jogaços.

 No caso de Portugal e Argentina, é hora desses jogadores em destaque mostrarem que são destaque: de mostrar que sabem jogar bem defendendo suas nações.

 E que são bem pagos pra isso mesmo.

 Corremos o risco de não ver futebol nenhum. Mas eu duvido.

 Em amistosos, o que vale é a festa.

 

 Mas pra Messi e Ronaldo, o que vale é fazer gol.



 Escrito por Danilo Albuquerque às 16h44 [] [envie esta mensagem] []






 
 

Brasil x França

http://globoesporte.globo.com/futebol/selecao-brasileira/noticia/2011/02/em-reconstrucao-brasil-e-franca-encaram-fantasmas-em-amistoso.html

Data: 09/02/2011 - Hora: 18:00

Local: Stade de France, em Saint-Dennis, na França

 

 

 O primeiro desafio de 2011 para Mano Menezes e seus comandados não é nada mais do que um tabu que dura anos.

 Adversário clássico e que nos remete a más lembranças: a FRANÇA!

 Num lugar que nos remete a piores lembranças ainda: o Stade de France, na França!!!

 

 Pra começar o ano, nada melhor que um desafio daqueles pra se testar elenco e quem sabe trazer confiança.

 Não há como não se falar em Brasil e França no Stade de France sem se lembrar da fatídica final de Copa do Mundo em 1998. Um 3 a 0 dolorido, numa campanha quase perfeita da seleção naquele ano. Lembrar também que o Ronaldo passou mal antes da final, teve convulsão e foi escalado na última hora. Era como jogar com um a menos (qualquer semelhança com a atualidade é mera coincidência, torcedor corinthiano).

 Mas enfim, como diria o próprio Mano: não existe tabu no futebol. Cada jogo é um jogo.

 Situações diferentes, equipes em momentos diferentes, nada nem parecido como foi naquele ano. O ano é novo e a vida é nova.

 

 Ambas seleções vem num processo de reconstrução.

 

 O Brasil vem montando seu time ideal, experimentando vários jogadores em alta, ainda meio que tentando encontrar uma espinha dorsal fundamental dessa equipe, mesmo Mano já tendo alguns jogadores como favoritos.

 Mais do que pondo gente nova pra jogar é começar o ano logo com um compromisso como esse. Trazer a confiança do torcedor brasileiro de que aquela história de algoz é passado, que essa França atual não assusta ninguém (e não assusta mesmo) e pra exorcisar qualquer fantasma.

 

 Já a França vem recheada de problemas.

 Depois de uma precoce eliminação ainda na fase de grupos da Copa do Mundo do ano passado, a crise se instaurou. Raymmond Domenec caiu e deu lugar agora para Laurent Blanc, que assim como Mano, está testando diferentes jogadores no elenco.

 Cheia de desconfiança, a França tem vencido seus primeiros amistosos. Nada muito animador, de verdade.

 Jogam por uma maior estabilidade e um futuro menos obscuro.

 

 As novidades do Brasil começam no gol. Julio Cesar volta como titular, com aquele sentimento de estréia desse novo Brasil. Renato Augusto faz sua estréia também, e logo com a camisa 10, fazendo dupla no meio com Hernanes, jogando agora pra frente, diferente do "Hernanes, volante" de antes.

 A França fechou treino e não mostrou prováveis titulares.

 

 Devem estar com medo. Não deviam.

 A França joga em casa, com o apoio da torcida, por isso tem a obrigação de vencer. Quem sabe desse jeito ela saia mais pro jogo e se abra pra levar contra-ataque.

 Contra-ataque que parece ser uma das características desse time do Mano. Atacar pelos flancos, usando muito os laterais, muita movimentação. É assim que tem que ser.

 Espero que o Renato não sinta o peso da camisa e jogue como ele tem jogado lá na Alemanha. O resto dos jogadores já estão bem acostumados, podem mito bem chamar a responsabildiade pra cada um.

 E que toda essa responsabilidade acabe logo com essa história de péssimo retrospecto. É um jeito perfeito de começar um ano, que pode ficar mais incerto se vier uma derrota.

 É tudo ou nada!

 Tabu ou novos tempos? É daqui a pouco.

 

França: Lloris; Sagna, Rémy, Mexes e Abidal; Diarra, M’Villa, Gourcuff e Menez; Benzema e Malouda.

Brasil: Julio Cesar; Daniel Alves, Thiago Silva, David Luiz e André Santos; Lucas, Elias, Hernanes e Renato Augusto; Robinho e Alexandre Pato.

 

A Globo transmite o jogo ao vivo a partir das 18h



Categoria: Evento
 Escrito por Danilo Albuquerque às 15h07 [] [envie esta mensagem] []






Os melhores da "academia"

 O prêmio Laureus é considerado "o Oscar do esporte" e todo ano premia os melhores atletas do ano em várias categorias do esporte mundial.

 E assim como toda premiação desse nível, ela foi justa e merecida.

 

 O Laureus coroou um brilhante ano de Rafael Nadal, tenista espanhol que ganhou 3 dos 4 Grand Slam que disputou (Roland Garros, US Open e Wimbledon). Ele já havia recebido um antes, em 2006, quando foi homenageado.

 Ele venceu os jogadores de futebol Lionel Messi e Andrés Iniesta, o piloto Sebastian Vettel, o jogador da NBA Kobe Bryant e o boxeador Manny Pacquiao.

 

 Entre as mulheres, a bela Lindsey Vonn faturou o prêmio após se sagrar tricampeã mundial do esqui alpino, superando Kim Clijsters, Serena Williams e Caroline Wozniacki e as atletas Jessica Ennis e Blanka Vasic.

 

 

 Único brasileiro na lista, o atleta paraolímpico Daniel Dias era favorito, mas perdeu para Verena Bentele. O nadador brasileiro já havia vencido a categoria em 2009.

 

 Veja todos os prêmios:

- Melhor atleta do ano (masculino)

Lionel Messi (Argentina) - futebol
Andrés Iniesta (Espanha) - futebol
Rafael Nadal (Espanha) - tenista
Kobe Bryant (EUA) - basquete
Manny Pacquiao (Filipinas) - boxe
Sebastian Vettel (Alemanha) - automobilismo

- Melhor atleta do ano (feminino)

Kim Clijsters (Bélgica) - tênis
Serena Williams (EUA) - tênis
Caroline Wozniacki (Dinamarca) - tênis
Jessica Ennis (Reino Unido) - atletismo
Blanka Vlasic (Croácia) - atletismo
Lindsey Vonn (EUA) - esqui

- Melhor equipe do ano

Inter de Milão (Itália) - futebol
Seleção da Espanha - futebol
All Blacks (Nova Zelândia) - rúgbi
Equipe europeia da Ryder Cup - golfe
Los Angeles Lakers (EUA) - basquete
RBR (Áustria) - Fórmula 1

- Melhor atleta paraolímpico do ano

Daniel Dias (Brasil) - natação
Verena Bentele (Alemanha) - esqui
Matt Cowdrey (Austrália) - natação
Jakub Krako (Eslováquia) - esqui
Esther Vergeer (Holanda) - tênis
Lauren Woolstencroft - esqui

- Melhor esportista de ação do ano

Víctor Fernández (Espanha) - windsurfe
Jamie Bestwick (Reino Unido) - BMX
Stéphanie Gilmore (Austrália) - surfe
Levi Sherwood (Nova Zelândia) - motocross
Kelly Slater (EUA) - surfe
Shaun White (EUA) - snowboard

- Revelação do ano

Martin Kaymer (Alemanha) - golfe
Christophe Lemaitre (França) - atletismo
Matteo Manassero (Itália) - golfe
Thomas Müller (Alemanha) - futebol
Louis Oosthuizen (África do Sul) - golfe
Teddy Tamgho (França) - atletismo

- Retorno do ano

Paula Creamer (EUA) - golfe
Tyson Gay (EUA) - atletismo
Justine Henin (Bélgica) - tênis
Carolina Kluft (Suécia) - atletismo
Merlene Ottey (Eslovênia) - atletismo
Valentino Rossi (Itália) - motociclismo

 Todos os vencedores merecidos, como eu disse.

 Prêmios assim eles nunca erram. Dão pra quem mereceu e fim de papo.

 Nadal teve um ano pra ficar na história. Papou quase tudo no mundo do tênis e se afirmou como melhor tenista do mundo sem sombra de dúvidas. E sem sombra de Federer.

 Lindsey venceu muito por causa do baixo nível das concorrentes, que venceram suas competições mas tiveram pouca expressão realmente. Nada que tire o mérito dela, ser tricampeã num esporte de inverno e radical como esse é algo a ser considerado.

 Senti falta da Marta entre as mulheres.

 E senti falta de mais brasileiros no meio. Daniel já é unanimidade no mundo paraolímpico, já é senso comum.

 Prova de que o esporte ainda é muito carente no Brasil. Não formamos atletas a nível internacional, se muito quando um consegue chegar a um prêmio assim que não seja do mundo do futebol. Quem sabe nãoe stá na hora das autoridades investirem mais na formação esportiva, assim como a educação e a cultura do cidadão, que encontra no esporte um meio de vida e uma opção pra fugir das más condições em que nosso país se encontra.

 Formar mais heróis no esporte. Mais exemplos de vitoriosos, não só no futebol. E que as Olimpíadas sirvam bem pra isso, e que assim como tantas outras cidades que receberam olimpíadas, que possamos nos estruturar melhor depois dela e que no futuro possamos vencer não só no quadro de medalhas, mas no quadro da vida.



 Escrito por Danilo Albuquerque às 14h52 [] [envie esta mensagem] []






 
 

Na Europa o futebol é entretenimento entre classes, no Brasil é o analgésico do povo"

 

 

Autor: Thomé

Buscar na Web "Thomé"



Categoria: Citação
 Escrito por Danilo Albuquerque às 01h13 [] [envie esta mensagem] []






Faz tempo, hein?

 

 Virou motivo de piada.

 O Cleveland Cavaliers perdeu sua 25ª partida seguida!!!

O_O

 

 E o que fazer quando você torce pra um time desses?

 

 O jeito é aguentar as piadas.

 Começou uma corrente entre os fãs zuando os Cavs pela péssima campanha na NBA. Veja alguns:

 

A última vez que os Cavs ganharam Dr. J estava aprendendo a enterrar

A última vez que os Cavs ganharam Nenê tinha um sobrenome Hilário

A última vez que os Cavs ganharam a gasolina custava menos de dois dólares

A última vez que os Cavs ganharam Michael Jackson ainda gostava de mulheres e não de garotos

A última vez que os Cavs ganharam George Bush estava no comando

A última vez que os Cavs ganharam Magic Johnson doava sangue

A última vez que os Cavs ganharam Deus considerava criar o universo

A última vez que os Cavs ganharam LeBron James ainda podia andar em Cleveland sem atirarem coisas nele

A última vez que os Cavs ganharam Shaq não errava lances livres

A última vez que os Cavs ganharam nós usavamos disquetes no computador

A última vez que os Cavs ganharam eu havia cabado de ganhar um N64

A última vez que os Cavs ganharam o Flamengo não tinha nenhum traficante no time

A última vez que os Cavs ganharam as pessoas tinham celulares de tela verde

A última vez que os Cavs ganharam Michael Jordan havia se aposentado

A última vez que os Cavs ganharam Wilt Chamberlain estava na metade do caminho para os 20 mil pontos

A última vez que os Cavs ganharam Troy Polamalu era careca

 Volta LeBron, pelo amor de Deus.



 Escrito por Danilo Albuquerque às 21h37 [] [envie esta mensagem] []






De novo não!

 Já vi esse filme.

 

 Muita gente critica o desinteresse dos jogadores brasileiros de basquete que atuam na NBA com relação a defender a camisa da Seleção Brasileira, chamados quase de apatrióticos.

 A situação parecia ter se mudado na última Copa América e no último Mundial, em que só não pudemos contar com Nenê e com Valtinho, ambos machucados e perdoados.

 Mas parece que o problema está voltando.

 

 Leandrinho declarou ao jornal "Toronto Sun" que provavelmetne não estará no grupo que buscará a vaga no Pré-Olímpico das Américas que será realizado de 30 de agosto a 12 de setembro, em Mar del Plata, na Argentina.

 Alegou dizendo que "precisa descansar".

 Leandrinho se recupera de uma lesão no punho direito e não atua há um bom tempo, mas tem previsão de retorno às quadras logo nesse semana.

 

 E já é o SEGUNDO desfalque.

 

 Varejão será operado no tendão do tornozelo direito e terá aí quatro meses de recuperaçao, ficando praticamente fora.

 

 Depois de todo o esforço de Rubém Magnano, indo viajar pra os EUA atrás de cada jogador, ouvir negações como essas soa até como ingratidão.

 NENHUM DOS CASOS TEM DESCULPA!

 Como Leandrinho pode estar cansado se até agora ele não jogou! O Pré-Olímpico é só em agosto, como pode prever que vai estar casnado até lá???

 E quem foi que disse que cansaço é motivo de dispensa? Experimente, você leitor, chegar pro seu patrão e dizer que não vai trabalhar porque está cansado. Hunf...

 E no caso do Varejão, não entendi a matemática da notícia. Ora, são 4 meses de recuperação, ou seja, estará curado em junho, mês 6. O Pré-Olímpico começa no fim do mês 8!!!

 Desculpinha fajuta!!!

 

 É inaceitável voltarmos a ver o mesmo problema de sempre: jogadores dando as costas pra própria pátria, na hora em que se mais precisa deles.

 Pois mais importante que uma Olimpíadas é uma pré-Olimpíada, sem ela nem sequer nos classificamos! E esse pré-olímpico já vem facilitado, pois disputamos duas vagas diretas pra Londres sem a competição dos EUA, compeões mundiais, automaticamente classificados. Só a Argentina parece ter vaga garantida, a outra vaga pode muito bem ser nossa! E se não for, há outras três que levam ao Pré-Olímpico Mundial.

 Ou seja: moleza.

 Não precisamos depender de repescagem, o Brasil é favorito pra vaga direta se for com todas as suas estrelas.

 E pra isso, como diria Oscar, "é só por um band aid e ir jogar".

 Esse é o problema de ter um campeonato mundial enfraquecido e sucumbido pelo poder e imponência da NBA.

 

 Até quando???

 

 Será que a nossa tão maltratada seleção não merece um pouco de carinho e respeito desses bem pagos e ricos atletas?

 Não há dificuldade. Quem enfrenta um time de NBA consegue ganhar de uma Venezuela.

 

 Então VERGONHA NA CARA e bola pra cesta, é disso que a gente precisa.



 Escrito por Danilo Albuquerque às 19h59 [] [envie esta mensagem] []






Quase um desencanto

 Enfim ele fez.

 

 A estréia passou em branco. Atuação discreta, mediana, intimidada pelo glamour da calorosa recepção dessa apaixonada nação rubro-negra.

 OK, vá la.

 E logo no segundo jogo dele, sem toda aquela expectativa do primeiro jogo, ele enfim fez seu primeiro gol com a camsia do Flamengo.

 

 Sim, Ronaldinho Gaúcho desencantou.

 Ou quase.

 

 O gol valeu, foi pra conta do craque.

 Mas foi de pênalti, né? Não conta.

 Conta que ele de novo não jogou muita coisa, fez o arroz com feijão e salvou seu dia porque fez um gol que até o Reginaldo faria (com o perdão do trocadilho xD).

 

 Dito e feito.

 Ronaldinho continua fazendo graça e fazendo pouco.

 Um lance bonito aqui, um toque de letra ali, um gol de pênalti acolá.

 Nem sei porque voltei a falar disso aqui. Virou pragmático, ficou previsível. E daqui pra frente tende a ser assim.

 Eu torço sinceramente pra ver um bom futebol do gaúcho, daqueles de encher os olhos, com golaços difíceis de serem feitos, exclusividades dos gênios. Falta preparo, faltam mais jogos na conta, falta mais ritmo de jogo, entrosamento.

 Mas o início foi animador.

 Para um jogador que quer voltar a ficar no nível de uma seleção, ainda faltam alguns degraus.

 

 E se bem o conheço, ele vai subir sambando.



 Escrito por Danilo Albuquerque às 19h19 [] [envie esta mensagem] []






 
 

Viu? É só futebol...

http://www.ricaperrone.com.br/2011/02/viu-e-so-futebol/

Classificação:

 

 Em meio a tantas crises e polêmicas no Corinthians, a vitória no clássico de ontem veio pra acalmar os ânimos, retomar o apoio da torcida e tentar sair um pouco dessa lama.

 No lado alviverde, a liderança continua, mas a desconfiança aumenta. O time teve muitas chances de fazer gols , sempre parando no inspirado goleiro Julio Cesar ou na própria incompetência de quem teve coragem de chegar à frente. Líder com futebol de lanterninha.

 

 Nesse clima todo, o caro amigo RicaPerrone, blogueiro do globoesporte.com fez um belo post falando sobre todas essas ironias do futebol. Muito bom, é o link que trago a vocês.



Categoria: Link
 Escrito por Danilo Albuquerque às 15h42 [] [envie esta mensagem] []






Imaturos

 Ontem eu aprendi como se perder um jogo inteiro em apenas seis minutos.

 

 Eu falei aqui no blog, e agora já até me arrependo disso.

 Esse time do Brasil sub-20 é muito bom, sem dúvida melhor que o da Argentina, e se ficássemos no 11 contra 11, não havia como eles ganharem.

 Parece castigo.

 

 Pois é, o que eu temia aconteceu. E em potência quadrada.

 Foi inacreditável ver como tudo deu errado e em tão pouco tempo.

 

 Pra começar, uma jogada da Argentina de linha de fundo. A zaga corta pra escanteio e o zagueiro e capitão Bruno Uvini divide a bola com o argentino, cai, se machuca absolutamente sem explicação, fratura a tíbia e tem que sair de jogo. Vem Saimon, o novo capitão.

 Continuando as desventuras em série, no escanteio cobrado justamente o qual Bruno Uvini se machucou, o outro zagueiro Juan, completamente imprudente, desce o braço na cara do argentino Funes Mori, que nem precisou fingir falta pro juiz ver, marcar o pênalti e expulsar o imaturo zagueiro brasileiro!

 Inacreditável!

 

 Gol argentino do próprio Funes Mori e os argentinos em vantagem numérica de gols e de jogadores.

 

 Tentando arrumar a casa, Ney saca Oscar (que até agora não jogou NADA nos jogos que ele entrou) e recompõe a zaga com Romário.

 O Brasil melhora. O jogo fica muito pegado. Marcação muito forte em Neymar, que já mostrava irritação e descontrole, e uma vontade enorme de chamar a responsabilidade, dar dribles e definir o jogo.

 Mas o gol não saía.

 Num cruzamento da direita em boa jogada do lateral Danilo (nome de craque esse menino) e cabeça de peixinho de Neymar, o goleiro Andrada faz uma defesa milagrosa e evita o pior.

 

 O Brasil jogava na raça, na correria, tentando fazer com que 10 jogadores jogassem como 11. E não se via a menor diferença.

 A não ser nos contra-ataques argentinos, que sempre pegavam uma defesa desguarnecida por causa da subida dos laterais. Mas nenhum grande perigo por parte deles.

 

 O primero tempo acaba e os jogadores esfriam a cabeça pro segundo tempo.

 As provocações continuam. A mesma catimba, a mesma cera de jogador caído sentindo dor. E o Brasil se irritando.

 Mas tudo isso acabou com o golaço de William José de fora da área. Desabafo, tirando um peso das costas, o Brasil empata e se recolhe todo na defesa.

 Pra complicar, William José também se machuca numa dividida e sai pra dar lugar a Diego Maurício, muito bem marcado o jogo inteiro.

 

 Mas aí complicou de vez.

 A tática de defesa do Brasil era incerta. Dava muito espaço. Mas nem precisaram de muito.

 Numa saída errada de Lucas, Iturbe, o novo Messi, rouba a bola, leva com ele, dribla toda a zaga brasileira e bate na saída do goleiro Gabriel, deixando os hermanos na frente de novo.

 

 Exauridos e sem condições, os jogadores brasileiros praticamente desistem de lutar pelo empate, já quase impossível.

 E passam a reclamar agora da própria arbitragem, que não deu uma falta em Danilo no primeiro tempo.

 Tudo pra justificar a imaturidade da equipe e a falta de controle emocional.

 E falta de sorte também. Numa falta batida por Casemiro, a bola explode na tarve, volta no braço do goleiro e vai pra fora. Entrar, nem pensar.

 

 Não era dia.

 

 O campo pesado, a chuva, a falta de um jogador e a falta de maturidade fizeram trazer a memória aquela dolorida derrota na Copa do Mundo contra a Holanda, em que pudemos ver o Brasil se despedaçando parte por parte, minuto por minuto.

 O jogo de ontem trouxe a mesma impressão, só que tudo de uma só vez: contusão, expulsão, pênalti, gol.

 E novamente a catimba prevalencendo no futebol sulamericano, apoiada na incapacidade da arbitragem e no despreparo psicológico dos brasileiros.

 É assim que eles vencem, fazer o quê. Futebol não foi feito pra trazer justiça.

 Foi feito pra mostrar quem é o mais esperto e quem é o mais inocente. Neste caso, fomos nós.

 

 E os problemas só continuam.

 

 Bruno deve ficar fora do resto da competição. Juan cumpre suspensão e Neymar levou o segundo cartão amarelo (só porque empurrou o goleiro quando ia colocar a bola pra ele bater).

 Todo um trabalho mais que comprometido.

 A próxima pedreira é o Equador, que aidna mantém vivo o sonho da classificação, e o Uruguai, líder com 7 pontos sem ainda não ter perdido no hexagonal final.

 

 Tudo complicado.

 

 Agora é mostrar que não dependemos só de Neymar e de Lucas. Que temos elenco qualificado o bastante pra seguirmos com nossos próprios pés, jogando na raça e na vontade que todo torcedor sempre pede.

 Porque do jeito que tá, não dá.

 Temos que pôr a cabeça no lugar, ter calma e trabalhar consciente. E acreditar até o fim.

 

 Perder da Argentina é ruim. Com a arbitragem contra é péssimo. Mas ficar fora das Olimpíadas, é a morte.



 Escrito por Danilo Albuquerque às 15h17 [] [envie esta mensagem] []






Solada

 

 Pela primeira vez aqui, eu vou me arriscar a falar aqui neste blog sobre outros esportes aos quais não tenho muita intimidade.

 Mas não é qualquer outro esporte: é o UFC, simplesmente o mais importante torneio de artes marciais do mundo!

 E o motivo por eu estar falando de luta aqui, mesmo ela tendo acontecido no sábado? Não uma luta qualquer, mas uma luta do século!

 

 

 Anderson Silva e Vitor Belfort! lol

 Os dois melhores lutadores brasileiros de MMA (na minha opinião) se enfrentando num octógono montado no hotel Mandalay Bay, em Las Vegas.

 

 Mas não é só por isso que essa luta é tão especial.

 Provocações, irritações, ameaças, ironias, declarações pesadas e muita auto-confiança fizeram deste um confronto muitíssimo esperado.

 Anderson adora se exibir e chamar a atenção, o que irritou Vitor, que o chamou de "mascarado". O spider respondeu que Belfort fala demais, e a tréplica era de que a luta se decide no ringue.

 

 E essa é uma verdade universal no mundo da luta.

 

 

 Não deu nem graça. Ainda bem que eu não tive que pagar uma fortuna indo pra Vegas ver uma luta de 3 minutos de duração.

 

 Um chute na cara, que mais pareceu um pisão na cara, de Anderson em Vitor foi o suficiente para definir a luta. O spider ainda queria bater, mesmo com Belfort caído no chão, desferindo-lhe dois socos na cara. O chute já tinha sido fatal.

 Vitória humilhante de Anderson Silva, que comemorou pouco, voltando e se dispondo a ajudar Vitor que ainda permanecia no tatame recebendo atendimentos médicos.

 

 Mas está aí o motivo de Anderson se exibir tanto. Ele PODE.

 Sem derrumar uma gota de suor, sem nem se cansar, bastou um chute na vertical no meio do queixo pra pôr um adversário preparadíssimo pro chão.

 É mascarado, é exibido, é estrelinha SIM. Mas ele fez por onde e continua fazendo. Sua técnica beira à perfeição, sempre mantendo a calma e esperando a melhor hora de meter a sola do pé na cara do adversário, que esperava um chute no peito e se surpreendeu. O fator surpresa sempre pende em lutas assim.

 

 Treinos exasutivos, muita técnica e muita confiança. De que mais ele precisa?

 Creio que de um curso de inglês.



 Escrito por Danilo Albuquerque às 14h50 [] [envie esta mensagem] []






 
 

Brasil x Argentina

http://globoesporte.globo.com/futebol/selecao-brasileira/noticia/2011/02/na-terra-do-reggaeton-sub-20-aposta-no-samba-para-bater-tango-argentino.html

Data: 06/02/2011 - Hora: 23:10

Local: Universidad Nacional San Agustín, Arequipa, Peru

 

 Hoje é o grande dia pra molecada do Sub-20!

 O jogo mais esperado do torneio: o clássico, o maior dentre seleções, nada menos que BRASIL X ARGENTINA!!!

 

 O técnico Ney Franco vai com o mesmo time, mas deixou claro que trabalhou muito no lado psicológico do time, um pouco para conter a ansiedade.

 É o primeiro Brasil e Argentina na vida deles, então é bom ir com calma pra não atrapalhar tudo.

 Até porque a gente sabe como é. Sempre dá briga.

 

 Ney parece ter encontrado a formação ideal do time. Um 4-4-2 entrosado, com um Neymar em grande fase, Fernando ganhando a vaga e William José convencendo como centroavante.

 

 Na Argentina, Juan Iturbe é a esperança. Já chamado de "novo Messi", o craque foi decisivo no último jogo contra o Chile com suas arrancadas e dribles rápidos.

 Disse à imprensa que Neymar vai encontrar dificuldades na defesa pronta do time argentino.

 

 Todo mundo fala o que quer.

 Mas a gente sabe que em campo a coisa é outra.

 Neymar parece gostar de jogos difíceis. Ele cresce e decide quando precisam dele. E num jogo clássico como esse, é necessário muita maturidade, tranquilidade, não cair na provocação e na pressão, se preocupar em só jogar futebol e em mais nada. Porque na bola, no 11 contra 11, a gente é melhor e já provou.

 Eles só tem 3 pontos, ou seja, eles precisam mais da vitória do que nós. Vão sair pro jogo e liberar o nosso contra-ataque, que já mostrou que é veloz e mortal.

 E como diria Galvão Bueno: quem ataca o Brasil, pede pra levar gol.

 

 O jornal "Olé" da Argentina disse: que venha Neymar.

 Pois eu digo: QUE VENHA A ARGENTINA!

 

Brasil: Gabriel, Danilo, Bruno Uvini, Juan e Alex Sandro; Fernando, Casemiro, Lucas, Oscar e Neymar; Willian José.

Argentina: Andrada, Pezzella, Tagliafico, Nervo e Zuculini; Galeano, Battaglia, Mosca e Araújo; Funes Mori e Iturbe.



Categoria: Evento
 Escrito por Danilo Albuquerque às 15h40 [] [envie esta mensagem] []






Twitter: a crise corinthiana

 

 Era de se esperar que houuvesse revolta após a eliminação do Corinthians na fase de Pré-Libertadores.

 Torcida revoltada, apedrejando ônibus do time, invadindo CT e exigindo a saída de Ronaldo, Tite e Andrés Sanchez, principalmente.

 O Corinthians, ainda meio que em estado de choque, continua sua rotina normalmente (?), treinando e se preparando pro clássico de logo mais contra o Palmeiras. O assunto é polêmico e é evitado no clube.

 

 Mas essas notícias você provavelmente já viu em algum noticíario policial ou num programa esportivo.

 

 Mas ontem a noite a briga virou "interna". Não, os jogadores não brigarem entre si.

 Mas foi coisa de jogador contra EX-jogador.

 

 O craque Neto (@10neto) desferiu no Twitter palavras de ofensa e indignação com o estado do Corinthians no momento, assim como ele mesmo tinha feito em frente as câmeras no Jogo Aberto e no SP Acontece. Normal.

 Só que pela rede social, ele se dirigiu principalmente ao Ronaldo (@ClaroRonaldo), que não vem rendendo o que se esperava dele e está fora do jogo contra o Palmeiras hoje.

 Neto criticou o fato de Ronaldo dizer que joga "por amor e somente por amor" no Timão:

 - Eu, que nunca fui 1% de você, assinava contrato em branco. Eu jogava por amor. Casagrande, Sócrates, Wladimir, Rivelino, Viola jogavam por amor. Para de conversa fiada, vai!

 

 Ronaldo, sem citar nomes, respondeu na lata:

 - Eu aceito qualquer crítica pacífica ao meu desempenho e do time. Mas não vou responder a ex-jogador aproveitador. Que vive até hoje com a imagem ligada ao clube, implorando para fazer evento em loja oficial. Muito menos para gente irresponsável que incentiva a violência e que cospe nos outros.

 

 Neto voltou a atacar o Fenômeno, se comparando a ele:

- Eu sempre fui e vou morrer corintiano. A minha missão no Timão foi cumprida. Levei ao primeiro Brasileiro. E você?

- Do mesmo jeito que você não fala com quem cuspiu em juiz, eu também não falo mais com quem entrou no motel com três travecos e um morreu de Aids!

 

OK OK! (meu blog tá parecendo o TV Fama)

 

 Não costumo meter o bedelho em conversas dos outros.

 Mas como a conversa foi pública, que se dane.

 

 Os dois estão bem errados nessa história.

 O Ronaldo disse que está acostumado a levar críticas, e inclusive assumiu a responsabilidade de levar a maior parte delas no lugar do time. Sabe que tá errado. Agora não acho certo ele reagir ao Neto, que na minha opinião nem jornalista é, de uma forma tão ignorante.

 Simplesmente ouça (ou no caso, leia), tome de lição ou não, e bola pra frente. Faça o seu trabalho que ele faz o dele.

 E o Neto, mesmo fazendo o trabalho dele que é comentar e informar sobre futebol, foi completamente ignorante ao vir arranjar briga do nada. Entendo a revolta dele, mais como corinthiano que é, ao ver o Ronaldo proferir tais palavras e não pô-las em prática. Mas nada é motivo de incitar a violência, coisa que eu já vi ele fazendo e nunca concordei (e o Datena é outro).

 Acho que os dois deviam colaborar mutuamente, pelo bem do tão amado Corinthians, assim dito por eles. A fase não é boa, não precisa de mais uma polêmica.

 

 Dizem que quanto maior a subida, maior a queda.

 Mas eu não me lembro do Corinthians ter subido tanto assim.

 

 

@Danilo_alb10



 Escrito por Danilo Albuquerque às 15h23 [] [envie esta mensagem] []






Começa dia 13 de março

 E aproveitando que estou falando de F1, deixo aqui também o calendário da temporada, que termina em Interlagos novamente.

Créditos: globoesporte.com

 



 Escrito por Danilo Albuquerque às 21h24 [] [envie esta mensagem] []






Teoria

 A McLaren inovou.

 

 Depois do lançamento de algumas montadoras, a McLaren fez seu evento pra mostrar o novo carro da temporada.

 Mas foi de uma forma diferente.

 O vídeo foi lançado pela internet, e começou somente com o chassi do carro, sendo montado aos poucos até ficar em sua forma oficial! Veja:

 

 

 Original e interessante.

 O novo MP4/26 apresenta algumas mudanças significativas.

 O bico é mais alto e mais longo, a asa dianteira tem um design mais agressivo, altas entradas de ar para o radiador, a tampa do motor tem três orifícios acima da cabeça do piloto para refrigerar o propulsor, além do Kers e dos novos pneus Pirelli.

 Ou seja: arriscar um novo projeto para que o ano seja perfeito, e não quase como foi 2010.

 

 A McLaren preferiu não levar os carros para treinarem em Valencia, como fizeram as demais equipes, no intuito de aprimorarem e aperfeiçoarem mais o automóvel, estudando como usar de maneira mais útil o Kers.

 

 E se por um lado a prática ainda não pois a prova o novo carro, na teoria ele ficou bem melhor.

 

 Acho arriscado.

 Enquanto equipes como a Ferrari estão ralando e correndo atrás dos próprios defeitos, a McLaren aposta e confia cegamente no projeto de seus engenheiros, que sem dúvida é muito interessante. Mas ninguém sabe como realmente vai funcionar.

 A F150 da Ferrari também parecia perfeita, isso até na 12ª volta o motor do massa simplesmente estourar.

 Ou seja, por melhor que seja o projeto, ele sempre estará susceptível a erros.

 Principalmente na Fórmula 1, que sempre acaba dando errado alguma coisa.

 

 A equipe ainda guarda alguns trunfos na manga, conversa de sempre em toda montadora.

 Mas acho que se repetirem o trabalho feito em 2010, a coisa tem reais chances de dar certo e os pilotos, Jenson Button e Lewis Hamilton, voltarem a chgar na última corrida do calendário, no Brasil, brigando pelo título.

 Oxalá que briguem no fim contra o Massa. E oxalá que percam :) 



 Escrito por Danilo Albuquerque às 21h21 [] [envie esta mensagem] []






Quanta diferença!

 Foi uma semana de estréias no futebol brasileiro.

 A mais badalada e aguardada, Ronaldinho Gaúcho foi discreto, teve alguns poucos momentos de gênio e pouco ajudou na vitória suada do Flamengo por 1 a 0 no finzinho do jogo.

 E a torcida carioca, mesmo vendo pouco, se maravilhou e se enlouqueceu só com a presença do craque em campo.

 Então imagine o que o torcedor saõpaulino sentiu na noite de ontem.

 

 Ainda feliz com a eliminação do rival Corinthians na Libertadores, o torcedor sãopaulino estava rindo a toa.

 Isso porque era dia de estréia no Tricolor paulista.

 Rivaldo, também chamado de Rival10, fez logo sua primeira participação com a camsia do São Paulo no jogo contra o Linense.

 E desde o começo ficou claro que o dia ia ser bom.

 

 Nem o gol do time de Lins no começo do segundo tempo assustou o camisa 10 do penta.

 Numa jogada de gênio, de Rivaldo, o São Paulo empatou o jogo e se animou pra buscar a virada. Rival10 recebeu um lançamento na entrada da área, dominou com a coxa já driblando o zagueiro e ajeitando pro arremate. Golaço, GOLAÇO!

 E a vitória era só questão de espera. Marlos entrou no jogo pra receber um passe na esquerda e bater forte, no alto do gol, próximo ao ângulo.

 Próximo porque no ângulo mesmo foi a bola na falta de Rogério Ceni, que chega aos 97 gols na careira segundo suas contas, 95 nas contas da FIFA. Mas foda-se, fez gol, tá valendo. Não importa se em amistoso. É 97 e pronto u.u

 

 Noite perfeita. Nem o segundo gol do Linense num bate-rebate perdido da defesa do São Paulo conseguiu estragar a festa. A festa de Rivaldo.

 Que além do gol, fez de tudo um pouco: lançamentos precisos, passes precisos, faltas perigosas, um chapéu desconcertante e um rolinho que nem se fala.

 E tomou cartão amarelo porque levantou a camisa na hora da comemoração do próprio gol. Uma pintura daquelas, que lembrava o prático Rivaldo dos tempos de Barcelona, não merecia ter nenhum defeitinho. Ele sempre comemora daquele jeito, e na real, ele nem tirou a camisa! Juiz safado, ladrão, enfia esse cartão no meio do %46#%!

 Perdão pela revolta.

 

 Mas esqueçendo desta lástima, a atuação de Rivaldo beirou a perfeição. Não dava pra ser melhor.

 E mostrou o que todo mundo da mídia vinha falando: está em forma, fininho, jogando os 90 minutos, correndo o tempo inteiro, voltando pra compor a zaga e jogar até de volante, isso em plenos 38 anos bem cuidados!

 Com um futebol de seleção, perdendo o próprio tempo lá nos quintos dos Uzbesquistões! Absurdo!

 Veio na hora certa e em plena forma, pronto pra fazer mais golaços como o de ontem e ensinar pra muito craque em recuperação como se estreia decentemente.

 E pra outros quase em fim de carreira como ser um profissional, amar a camisa, ter a condição física minimamente aceitável e jogar um futebol minimamente de qualidade.

 

 E como fica quando o Lucas e o Casemiro voltarem? Aí é overdose.


 Só pra não deixar passar em branco o acontecido neste mesmo jogo do São Paulo.

 

 Dagoberto teve um momento "Neymárico" com o técnico Carpegiani.

 Enquanto o treinador mandava o Dagol jogar mais pela esquerda e deixar a direita com o Marlos, ele insistia em cair pra direita. Mais do que isso, ainda bateu boca em pleno andamento do jogo, ressaltando que estava ali por causa de uma falta.

 Carpegiani pelo jeito não gostou do lance, e com toda a sua raiva, chamou o jogador de "BOBALHÃO"

 O_O

 Tirem as crianças do computador, palavras pesadas em campo!

 

 Hoje Dagol veio se explicar publicamente, até um pouco surpresa pela repercussão do caso.

 Esclareceu que já foi pedir desculpas ao treinador, afirmando que "é ele quem manda".

 

 Nada como um bom puxão de orelha pra cada um se colcoar no devido lugar.

 

 O jogador disse que está tudo esclarecido.

 Mas quanto a ofensa, aposto que ele não esqueceu.



 Escrito por Danilo Albuquerque às 20h09 [] [envie esta mensagem] []






Corinthians?

 Pra fazer este post, procurei ouvir e ler tudo a respeito, como opiniões de comentaristas, especialistas, blogueiros e torcedores.

 E enquanto procurava imagens pra colocar, achei uma que me pareceu perfeita.

 

 

 Mesmo a palavra "pânico" não sendo a ideal, ela se aproxima, pelo menos em parte, do que eu quero dizer.

 Decidi não escrever a medida das minhas imagens. Vou escrever a medida da minha percepção.

 E vou descer a lenha em quem merece. Se não gosta de ouvir verdades, nem leia. 

 

 Há o costume de se dizer que tudo pro corinthiano é mais difícil. Tanto que a própria torcida já até incorporou o "sofredor graças a Deus" a um de seus gritos. Porque é assim e todo mundo sabe.

 Mas o comum é saber que depois do sofrimento vem a glória.

 E soou muito estranho não vir.

 

 Eu disse no post do jogo Brasil e Chile que não era hora de caçar as bruxas por lá. Mas por aqui, é mais que hora.

 Quando time que luta pra vencer um Campeonato Brasileiro termina em 3º, depois de ser líder, é porque a coisa não está boa. Derrotas para Atlético Goianiense, Vitória e o empate vergonhoso contra o rebaixado Goiás revelaram um time com problemas.

 

 Problemas estes que não foram resolvidos. Pior: intensificados.

 

 Eu disse no post do Liedson, o Corinthians não contratou como deveria. Não contratou como um time que está na Libertadores.

 Apostou na permanência da maioria do elenco, mas pecou em não substituir a principal perda: Elias.

 

 O considerado "motorzinho" da equipe foi vendido ao Atlético de Madri sem que houvesse ao menos um plano B.

 Não tinha reserva pra ele!

 

 Era como prever o óbvio.

 

 Tragédia anunciada que virou piada pronta.

 O Ronaldo, ao fim do jogo, reclamou do estado do gramado. Acreditem, o gramado tinha muito mais motivos pra reclamar do Corinthians ¬¬

 

 E falo como um todo: time, técnico e direção.

 Todos INCOMPETENTES.

 

Time

 Como eu disse, Elias saiu e não tinha reserva. Mais do que não ter reserva é ninguém se disponibilizar a ajudar no que faltava.

 Não só nesse jogo na Colombia, como o do Pacaembu e os outros do Paulistão, o Corinthians era um time "preguiçoso" como definiu o Casagrande. Não corria, não vinha buscar jogo. A bola não chegava no ataque e ninguém tinah coragem de ir levar nem de vir buscar, e quando chegava, encontrava Dentinho e Jorge Henrique apagados, fracos, que fugiam às próprias características.

 Sem contar no Ronaldo. Eu disse que ele é fundamental para o time, e é de fato. E ficou claro ontem. A bola não chegava nele e ele não ia buscar a bola. Divórcio conjugal.

 Ficava parado, sofrendo de solidão, lutando contra os zagueiros por alguma bola perdida ali no meio, que nunca chegaria.

 Não chegava muito por pouco de não haver um meia de criação pra isso. Bruno Cesar perdeu espaço e ia ser banco, e Danilo, o reserva natural, não começou jogando.

 

 Eaí, comofas?

 

 Como faz com uma defesa que depois que perdeu seu capitão e líder, perdeu seu futebol e sua segurança. Ficaram apostando numa linah burra de impedimento, que se resume no próprio nome: BURRA. Só os idiotas veem que essa linah de impedimento não deu certo no primeiro jogo e tornam a repetí-la no segundo! Burrice!!!

 

 

 Roberto Carlos sentiu a coxa no treino e não jogaria. Entrou Fabio Santos, mas seria melhor ter jogado com 10. Passes tortos, mau posicionamento, não subia pra apoiar. Ou seja: não fez MERDA NENHUMA e só atrapalhou.

 O mesmo se pode dizer de Leandro Castán. A falha dele no gol do Tolima foi só uma dentre tantas outras no meio do jogo.

 E seguindo a linha do Fabio Santos de não ir pro ataque, Alessandro também não foi. Resultado: o time não foi.

 E pra enterrar o caixão, me entra um Ramírez, peruano, que no primeiro lance perde a cabeça e enfia um braço na cara do colombiano! Deslealdade!! Como um cara desses joga no Corinthians??

 

Técnico

 O Tite foi completamente infeliz na escolha do time.

 Tirou um Bruno Cesar que estava mal em campo. Até aí tudo bem. Mas coloocou um Paulinho em campo, Paulinho que nesse esquema seria reserva de Jucilei. Ou seja: três volantes!!!!

TRÊS VOLANTES!!!!

 E depois o Mano que era retranqueiro! O quê, entrou pra garantir o empate??? 

 

 OK, manteve três atacantes na esperança de haver um milagre que os fizesse jogar bola.

 Mas Tite, uma coisa: milagres não acontecem. Não desse jeito, pelo menos.

 

 Segundo tempo melhorou pela necessidade. E o Tite prontinho pra estragar a melhora repentina do Timão, colocou outro volante e tirou um atacante pra por, enfim, o meia de criação. Mas já era tarde.

 Uma expulsão descuidada que revelava uma ansiedade de um técnico em colocar seu time pra jogar sem nem ver se valia a pena ou não. Não era hora de estrear um peruano! O jogo mais importante da vida!

 E aliás, mas por que diabos ele pediu um peruano pra diretoria??

 

Direção

 Diretoria essa que continua ineficaz.

 Não trouxe os nomes de que o Timão precisava. Trouxe Liedson, mas muito, muito tarde.

 Talvez isso seja um reflexo que uma hora iria aparecer. As jogadas de marketing de Ronaldo e Roberto Carlos encheram os cofres alvinegros, saldaram dívidas mas se enrolaram até o pescoço.

 Faltou ousadia a essa diretoria, que ficou no embalo da contratação recente de Roberto Carlos e apostou num time incompleto e desfeito, pois só com a saída de Elias, lá se foi meio time. Time que não foi reposto, volto a dizer.

 

 Ronaldo, Tite e Andrés Sanchez foram os alvos da revolta da Fiel. Mas não são os únicos culpados.

 

 Mais do que jogadores, faltou futebol, faltou amor, faltou entrega, faltou raça.

 FALTOU VERGONHA NA CARA!!!!!!!!!!!!

 Não é possível que depois de tantos jogos o time não tenha entrado em forma. Porque o futebol foi ridículo!

 

 Não vi jogador dando o sangue, sangue que todo torcedor exige que seja dado. Não vi jogador cair, se levantar e correr pra recuperar a bola.

 Não foi pra valer. Foi um horror.

 

 Foi horrível também a entrevista pós-jogo. Ronaldo colocando a culpa no gramado, procurando palavras que não encontrou. Parecia indiferente do resultado. E essa indiferença foi nojenta.

 Se o gramado prejudicou o Corinthians, em mesma proporção prejudicou o Tolima, que constantemente tocava a bola e encontrava falhas na defesa corinthiana, que falhava não por culpa do gramado.

 Ou seja: desculpinha fajuta.

 Não veio jogador algum do Corinthians vir dizer o que eu queria ouvir. Os que assumiam os erros e a culpa, como o técnico Tite, pareciam se distanciar do problemas, dar de ombros. Assumia e ao mesmo tempo se livrava do peso.

 Não vi, por exemplo como foi a eliminação do Brasil na Copa, ninguém chorando. As decepções eram fracas, momentâneas. Daquelas que passam depois de um bom chuveiro.

 Ou seja: nenhum deles foi corinthiano.

 Nenhum deles sofreu como sofreu um corinthiano no dia de hoje.

 O corinthiano que vai ao estádio, que torçe, que vibra, que acredita, que sofre, que tem que ouvir gozações, que nunca desiste. Estes são os verdadeiros corinthianos. Aqueles que amam o clube com o coração, não com a conta bancária.

 

 Eu, como brasileiro e torcedor do bom futebol do Brasil, me senti indignado.

 Indignado pela indiferença, pela egocentrismo de uns e pela incompetência de muitos.

 E indignado por saber que ainda existem jogadores que jogam sem amor ao time. Que fazem do seu meio de vida apenas um fato cotidiano, comum, sem importância. Muito por não saber da real importância e de como este esporte, que mesmo sendo só um esporte, mexe com milhões de pessoas.

 

 Corinthians não é spa.

 E nem parece que é Corinthians.



 Escrito por Danilo Albuquerque às 20h29 [] [envie esta mensagem] []






Toliminado

A internet hoje foi tomada por humoristas anônimos e piadistas em geral, cujos esforços convergem para o assunto do dia: a eliminação do Corinthians na Pré-Libertadores.

 E é lógico que um blog que também tem senso de humor como este não poderia deixar de msotrar algumas que eu achei.

 

OBS: nenhuma deles reflete a minha opinião pessoal. Ela está no post acima.

 Só coloquei porque são engraçadas! xD

 

 

 

 

 

- Ser eliminado na Libertadores é humano. Ser eliminado na pré-Libertadores é ser corintiano

- “Corinthians, vem sonhar Libertadores aqui fora, vem”, diz Pedro Bial

- O Ronaldo comeu o sonho da Libertadores

- O Corinthians é que nem a Derci Gonçalves… Com 100 anos e ainda fazendo todo mundo dar risada

- Alô, é da Libertadores? – É sim. – Posso falar com o Corinthians? – Não dá, ele saiu.

- Semi em 2000. Quartas em 2006. Oitavas em 2010. Pré em 2011. Na próxima o Corinthians será eliminado no sorteio

- Ainda bem que Colombo não era corintiano. Se não, nunca teria conquistado a América

- Corinthians Paulista: 100 anos ensinando que o importante é competir

-  No jogo War, quando o objetivo é conquistar a América, o Corinthians sempre sai do jogo

- Corinthians é eliminado de três Libertadores seguidas e pede música no Fantástico

- “O que a laranja falou pro Corinthians?” “Hoje eu TO-LIMA”



 Escrito por Danilo Albuquerque às 19h56 [] [envie esta mensagem] []






Exemplo

 Pelo menos algum brasileiro comemorou na Libertadores ontem.

 De maneira muito qualificada, o Gremio fez sua parte, venceu em casa o Liverpool do Uruguai por 3 a 1 e se classificou para a Libertadores.

 

 Em 180 minutos, o Gremio mostrou exatamente o que um brasileiro deve fazer na Libertadores.

 Jogou fora de casa e conseguiu um resultado ótimo: empate em 2 a 2. No sistema de gols fora, dois na casa de um adversário é quase perfeito.

 

 Ideal pra começar o jogo da volta sem toda a pressão de vecer. Um empate em 0 a 0 classifica! Assim como em 1 a 1.

 Ou seja: tudo fica mais fácil.

 

 O Liverpool começou complicando com um gol, mas foi surpreendido pela superioridade da equipe gaúcha.

 André Lima, depois de ter perdido um gol que até minha vó faria, se redimiu e anotou um.

 E quebrando o clichê de susbtituir só no segundo tempo, Renato Gaúcho colocou Vinicius Pacheco ainda no primeiro tempo. É o dedo do técnico.

 Pacheco entrou e fez dois gols, o segundo dele um golaço, com direito a bater na trave e entrar!

 Vitória do Grêmio, do André Lima, do Vinicius Pacheco e do Renato Gaúcho.

 E de uma infindável nação gremista.

 

 É assim que todo jogo tem que ser.

 Time brasileiro é, por natureza, o melhor da América. Então tem que se mostrar. Mostrar que é melhor desde o primeiro jogo, o lá na casa do adversário.

 E mostrar que não tem medo. Assim como Renato Gaúcho, que quebrou as "regras" e colocou um novato que entrou e matou a partida. As vezes um novato querendo jogar bola vale MUITO MAIS que um experiente com vaga cativa no time.

 

 É maravilhoso que o Gremio tenha entendido isso, e uma lástima que o Corinthians não.

 Avança pra competição com segurança e confiança, com a vonatde de jogá-la de novo depois de tanto tempo.

 

 E no futebol, a vontade determina tudo.

 

 Parabéns Tricolor Gaúcho! E saibam que o principal vem agora, portanto, humildade e dedicação. Ou seja: repitam o que foi feito.

 E muito mais estará por vir.



 Escrito por Danilo Albuquerque às 19h55 [] [envie esta mensagem] []






 
 

Brasil x Colômbia

http://globoesporte.globo.com/futebol/selecao-brasileira/noticia/2011/02/sub-20-reencontra-colombianos-em-revival-da-primeira-fase-do-torneio.html

Data: 04/02/2011 - Hora: 00:10

Local: Estádio Municipal, Arequipa, Peru

 

 Pra continuar bem o Sulamericano Sub-20, o Brasil enfrenta hoje a noite (madrugada de amanhã) a seleção da Colombia, que perdeu do Uruguai por 1 a 0 e busca reabilitação.

 

 O Brasil, que venceu bem o Chile na última terça-feira, joga com seu time titular, mas entra em campo cheio de receios.

 É que domingo tem o grande jogo dessa segunda fase. O confronto contra a enfraquecida Argentina, e por isso, toda falta é um perigo de cartão. Principalmente para Neymar. A estrela desse time está pendurado, e se levar ãmarelo contra a Colombia, não joga o clássico.

 E todo mundo sabe que ele faz falta.

 

 Espero que ele saiba que faz falta, e muita, pra esse time e se controle. Não saia por aí cavando falta e pedindo pra levar cartão por simulação. Ou perder a cabeça com as faltas sofridas.

 se preocupe em jogar bola, se preferência sem muitas provocações, faça seus gols e mate o jogo.

 Substituição num segundo tempo garantido seria a melhor escolha. Pra isso, precisa se garantir.

 

 Na Colombia, dois deslfaques: o volante Didier Moreno e Cabezas não devem jogar por contusão, e o craque Cardona é dúvida por uma virose.

 No último jogo contra o Brasil, Cardona foi o nome do jogo, fazendo um gol e metendo uma bola na trave. Se não jogar, já é 1/2 a 0 pra gente.

 

 Mas assim fica sem graça. Sem subestimar.

 Seleções que já não tem time, perder seus melhores jogadores?

 Então Neymar nem precisa entrar em campo. Se arriscar pra quê?

 

 Deixa pra lá, esqueçe. Eu quero ver é show ^^

 

Brasil: Gabriel; Danilo, Bruno Uvini, Juan e Alex Sandro; Casemiro e Fernando; Oscar, Lucas e Neymar; Willian José.

Colômbia: Andrés Mosquera; Santiago Arias, Pedro Franco, Camilo Saiz e Sebastian Viáfara; Juan David Díaz, Gustavo Cuéllar, Javier Calle e Edwin Cardona (Michael Ortega); Castillo e Andrés Escobar.



Categoria: Evento
 Escrito por Danilo Albuquerque às 18h44 [] [envie esta mensagem] []






Bem-vindo, futebol arte

 Ontem o craque e a contratação mais badalada de 2011, Ronaldinho Gaúcho, estreiou com a camisa do Flamengo contra o Nova Iguaçu e eu pude ter uma noção do que vai ser o futebol dele e do Flamengo esse ano.

 A mesma noção que eu já tinha antes, só confirmei.

 

 A vitória foi suada, sofrida, nos últimos minutos de um jogo que eu nem sei se o Flamengo merecia vencer.

 O Nova Iguaçu perdeu uma chance num contra-ataque que não dá pra perder. Tenha a santa paciência ¬¬

 Merecia então, pelo menos um empate.

 Mas pela festa e pelo amor, o Flamengo merecia ganhar, disso não há duvidas.

 

 Mais de 37 mil pessoas lotaram o Engenhão, que apesar de ser o estádio do Botafogo, ficou rubro-negro em todas as partes.

 Um mosaico "bem-vindo R10" se formou logo no início do jogo, que apesar de ter sido pequeno, foi muito bonito.

 Mas não era a festa o motivo da própria festa, e sim o futebol do Gaúcho, já chamado por alguns de Ronaldinho Carioca.

 

 E não há outra palavra mais precisa para definir seu futebol do que DISCRETO.

 Ele era o nome da noite, o cara a quem todas as câmeras procuravam. Mas no jogo, preferiu dividir as atenções.

 

 E como o site globoesporte.com muito bem analisou, "Ronaldinho teve lampejos de genialidade".

 Quantas vezes não vi meios de imprensa falando a mesma coisa dele num jogo pelo Milan?

 

 Bateu uma falta que levou algum perigo, fez uns lançamentos, tentou driblar, tentou passar e na maioria não conseguiu. Andou, correu, trocou de posição com Vander, se movimentou no meio com Thiago Neves, tentou jogadinhas com Rentao que praticamente não levaram perigo.

 Mas o Flamengo venceu, mesmo que por pouco. E venceu numa jogada sem influência dele.

 Ou seja: foi discreto.

 O Flamengo venceu sem sua extrema necessidade, como eu pensei.

 

 E é assim que vai ser com ele em pouco.

 

 Vão deixar a graça e a arte pro cara e os outros vão correr, se matar e jogar muito mais por ele. E o Flamengo vai ganhar, e o Ronaldinho vai levar as glórias.

 Quem sabe por um bom passe, ou por um bom lançamento, ou assistência ou gol.

 O que quero deixar claro é: Ronaldinho não veio pra ser salvador! Não veio pra resolver problemas!

 Veio pra fazer arte, divertir o público e levar a fama.

 

 Assim como também ficou claro (pelo menos pra mim) que o Fla contratou o Ronaldinho DO MILAN e não do Barcelona.

 Vejam alguns vídeos dos jogos do Milan com ele entrosado com o time e verão o futuro do Mengão.

 Em alguns jogos foi gênio e decidiu, em outros passou em branco e foi vergonhoso. A diferença que aqui a cobrança vai ser menor, pois ele é ídolo.

 

 Mas não quero criticar e questionar sua contratação e escalação. É só mais uma figura neste nosso rico futebol brasileiro.

 Eu desejo pra ele uma temporada excelente, sem contusões, que ele volte a Seleção Brasileira POR MÉRITOS e que faça por merecer. Ou seja: que melhore.

 E que o Flamengo melhore junto, pois quem é grande não pode chegar no fim de um Brasileirão lutando pra não cair.

 

 Até porque Flamengo é Flamengo.

 



 Escrito por Danilo Albuquerque às 18h30 [] [envie esta mensagem] []






Canário no peito e feiúra em campo

 Eu vim aqui mostrar toda a minha indignação com a nova camisa da Seleção Brasileira, que será oficialmente apresentada no dia 9 de fevereiro no amistoso contra a França. Na verdade eu não queria acreditar que aquilo fosse verdade, que aquilo era oficial. Mas pelo jeito é.

 A Nike divulgou este vídeo sobre a nova camisa, com uma pequena novidade. Vejam:

 

 

 Deixe-me explicar.

 Atrás, no avesso da camisa, foi bordado um canarinho no símbolo da CBF.

 E a camisa verde é a de treino, não é a reserva não.

 

 A reserva é essa.

 Possui novos tons de azul, a mesma faixa ridícula só que amarela no peito, com um número amarelo meio que quadrado nas costas.

 

 Eu juro por Deus, eu olho, olho, olho e não vejo beleza nessa camisa. Não vejo significação, não vejo estilo, é horrível!

 Sem detalhes, sem aquela listra no ombro, sem detalhe nas mangas, apenas uma faixa escrota no peito. Completamente horrorosa.

 

Se você discorda de mim ou concorda, comente e dê sua opinião



 Escrito por Danilo Albuquerque às 20h39 [] [envie esta mensagem] []






Quem pára?

 Eu disse. E o Galvão também.

 

 Até no Sub-20 é assim.

 Quando o futebol da garotada jovem do Brasil começou a ser questionado, bastou um jogo pra resolverem todos os problemas.

 Melhor que terapia, jogar com o Chile é a solução de todos os problemas.

 

 No primeiro tempo, os chilenos até que complicaram empatando o jogo depois do gol do neymar de falta. De falta!

 Mas depois, assim como os mineiros, foram pro buraco (hahahaha que maldade! dane-se, o blog é meu).

 

 Nada menos que 5 a 1! Fora o show, como sempre.

 Show de Neymar, como sempre.

 Só ele fez dois, deu passe pra mais um e passou o pé na bola quando pôde.

 Lucas, Diego Mauricio e William José fecharam a conta. Encobrindo o goleiro, tocando na saída e metendo de cabeça, respectivamente.

 

 Mas do que uma goleada sobre o Chile, foi uma goleada contra a desconfiança.

 A seleção mostrou maturidade em momentos necessários, mesmo com a torcida quase toda jogando contra, e ouvindo alguns "olés" deles quando o Chile tocava a bola, mesmo o placar estando empatado.

 No fim, quem deu olé e riu por últimos fomos nós. Chupa Chile!

 

 Mas nem tudo tem que ser flores.

 Neymar anda caindo demais. Muito em parte porque batem nele demais. Mas tem que saber dosar. Levou um amarelo e ficou pendurado justamente por fingir falta, que na verdade aconteceu. Mas a ficha incrimina.

 E outra coisa: tem hora que a individualidade dele brilha, mas muitas vezes me dá nos nervos. Ele segura e passa o pé demais na bola, tem hora que tem que fazer o simples, tocar de preferência. Cada lance bobo porque ele tentou ir sozinho que só vendo u.u

 A defesa continua mostrando falhas. O gol é o exemplo perfeito. Deixaram a bola cruzar a área inteira sem ninguém cortar, culminando na falha escrota do goleiro Gabriel, que depois se redimiu. Outro lance escroto da defesa foi um arremesso lateral, que depois de uma catimba adversária, pegou todo mundo de surpresa e quase levou ao gol. Desatenção e bobeira generalizada.

 Mas a fase é promissora e empolgante. Que assim seja.

 

 Me pergunto se alguma das seleções que estão nesse hexagonal final é capaz de parar o Brasil, jogando sempre assim.

 Eu pensava na Argentina, até ver o jogo de ontem.

 

 Os hermanos, os sempre favoritos, jogaram um futebolzinho de várzea e perderam!

 Pro Equador!

HAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHA

 

 Gol de cabeça, golaço, coisa linda!!!

 E o melhor: o craque argentino, Mosca, só mandava uns balões sem destino nas vezes que chutava! Foi substituído pelo Araujo, que entrou, se jogou na área e conseguiu um pênalti ABSURDO! UMA FARSA!

 Foi bater e fez justiça: mandou a bola na lua!

HAHAHAHAHAHAHAHAHAHA

 Seria um novo Messi? LOL

 

 Muito bem Argentina, futuro garantido no futebol, parabéns.

Senta e aplaude, valeu? Foi mal.

;)



 Escrito por Danilo Albuquerque às 20h28 [] [envie esta mensagem] []






Samurai azul

 A Seleção Japonesa é apelidada de "os samurais azuis". E não é a toa.

hasiuhaishihaihsiHISHIHSishiHASIHIHAoishAIHIhsISHshiHSI



 Escrito por Danilo Albuquerque às 20h08 [] [envie esta mensagem] []






O companheiro chegou

 O Corinthians inicou a temporada sem grandes contratações, tentando suprir a ausência de Elias e William no time.

 Mesmo assim, manteve muitos dos seus jogadores e contou com o retorno de alguns outros emprestados. Mas era senso comum de que o time ainda precisa de mais um atacante de frente, cobrado pelo próprio Ronaldo.

 Tentaram Adriano, Luis Fabiano e Marcelo Moreno. Frustradas, lógico.

 

 Mas a novela do novo atacante acabou, e com um final feliz.

 

 Liedson fechou contrato com o Timão até dia 31 de julho de 2012!

 Prata da casa, o brasileiro ficou apenas 7 meses no Alvinegro antes de ir para Portugal passar 7 temporadas vitoriosas jogando pela Sporting. A identificação lusitana foi tal que o jogador se naturalizou português e jogou a Copa do Mundo do ano passado ao lado de Cristiano Ronaldo!

 Sua moral em Portugal é evidente, e seu carinho pelos corinthianos também.

 

 Com 33 anos de idade, Liedson passa a integrar o elenco corinthiano a partir do dia 7 de fevereiro, e vem para ficar até o fim de uma suposta Libertadores do ano que vem.

 O que é fantástico. Jogador estável num clube hoje em dia é coisa rara.

 

 Liedson vem brigar pela titularidade, num time que ainda não se achou em 2011. Apenas uma vitória em 6 jogos!

 Para isso, tudo depende do jogo da Pré-Libertadores de amnhã contra o Tolima, lá na Colombia, indo com a missão de ter que fazer um gol se não quiser ir aos pênaltis ou perder a vaga, eventualmente.

 Se a vitória se confirmar, Liedson vem na hora certa.

 É fato que o time necessita muito do Ronaldo. Quando ele não joga, o time não joga. É preciso de mais alguém de nome e de confiança pra ficar lá na frente e meter bola na rede, coisa que não vem acontecendo (e é inútil caçar as bruxas agora) e todo mundo sabe.

 E o luso-brasileiro é o nome certo. Digo até que não teria nome melhor. O Corinthians não precisa de jogador problema, de jogar em má fase, de jogador em fimd e carreira e nem de moleque driblador. Precisa de alguém maduro, competente e que se identifica com o clube, pra trazer raça, garra, aquilo tudo que a Fiel pede em campo. E ele sabe dar o que se pede.

 Fora que é craque.

 

 Perfeito.

 

 Não sei se pra isso será necessária outra jogada faraônica de marketing, mas nada que o Corinthians não consiga fazer.

 Só espero que não se atrapalhem com tantos negócios em atividade.

 

 E aí você me pergunta: como ficaria o esquema do Corinthians com o Liedson?

 Ia depender muito de como ele joga e como sabe jogar. O 4-3-3 funcionou muito bem na época do Elias, mas agora não tem sido muito efetivo. Tite até tentou trocar um pouco o Bruno Cesar e colocar o Paulinho, sem muito resultado.

 Mas nesse esquema o Corinthians tem Dentinho e Jorge Henrique que são específicos e acostumados a essas funções, e eu acho que o Liedson é mais de área. E na aréa, o Ronaldo preenche bem o espaço (sem trocadilhos, gente xD).

 Pra por o Liedson, acho que seria necessário adotar um 4-4-2, com Ralf, Jucilei, Paulinho e Bruno Cesar no meio, e Liedson e Ronaldo na frente. Acho que seria mais útil pra ele.

 Mas deixo o abacaxi pro Tite.

 

 É um problema que todo técnico gosta de ter.

 Só um problema pra acabar com o problema do Corinthians. Que hipocrisia!



 Escrito por Danilo Albuquerque às 19h54 [] [envie esta mensagem] []




[ página principal ] [ ver mensagens anteriores ]
 





BRASIL, Sudeste, OSASCO, Vila Yolanda, Homem, de 15 a 19 anos, Portuguese, English, Esportes, Música
MSN - danilo_goleiro@hotmail.com









 
 


Todas as mensagens
Link
Evento
Citação
Avaliação
Liga dos Campeões



Link-me!


Link-me!


venda de terreno em pouso alegre Sport Blogs - Blog Catalog Blog Directory

UOL - O melhor conteúdo
De tudo um pouco - Sex and the City
Giro Global
Futebol Fã Clube
Visão de Jogo
LeioLeo
Blog de edimeli
Blog do Matthew (Mundo da bola)
G O A L FC
Simples como pão
Bola na Rede
Pensamentos de Janara
Blog Fala! Oton
Análise F.C.
Blog do Manuel
DADO.PAG
FIFA Arena
PES World Next Gen
Maníacos do Futebol
Blog do escritor Emídio Lopes
Outros Papos
Palavra de Nanael
Blog da Olívia
Futebol sem Firúlas
Esperando na Janela
FLOYD SIQUEIRA
Love Girl
Cantinho da Nadjinha
Nação Rubro-negra
Sitting, waiting, wishing
Blog da Gabs Righetti
Blog da Mila
Blog da Comunicação
Futebol, Mulher e Rock n' Roll
Ih Legal - Penso, Blogo, Existo
 
 

Dê uma nota para meu blog